Assine nosso site

Receba nossas publicações em seu email.

Junte-se a 8.544 outros assinantes

Aula 7: Princípios de Deus para o Casamento (1 Co 7) – Série Decifrando I Coríntios: Os Segredos de uma Igreja Madura e Unida no Amor Fraternal

QUER RECEBER ARTIGOS INFORMATIVOS, ESTUDOS BÍBLICOS, REFLEXÕES, SERMÕES E CURSOS GRATUITOS TODA SEMANA EM SEU WHATSAP?

Entre no grupo do Professor Josias Moura agora e receba todos estes recursos gratuitamente.

Texto bíblico base: 1 Coríntios 7:1-40

Introdução:

Vivemos em uma era de relacionamentos descartáveis e “matches” instantâneos. Nesse cenário, o que a Bíblia tem a dizer sobre casamento ainda é relevante? Paulo aborda esse tema espinhoso em 1 Coríntios 7, oferecendo princípios surpreendentemente modernos e libertadores. Vamos mergulhar nesse texto e descobrir como aplicá-lo à nossa realidade.

1.Solteiros por opção: O celibato  (1 Co 7:7-9, 32-35)

O celibato como opção de vida tem sido um tema de debate ao longo da história da Igreja. Em 1 Coríntios 7:7-9 e 32-35, o apóstolo Paulo apresenta uma perspectiva única sobre a solteirice, elevando-a ao status de um “superpoder espiritual”. Essa visão desafia a noção predominante de que o casamento é o único caminho para uma vida plena e realizada.

Em primeiro lugar, Paulo destaca o celibato como um dom divino, uma capacidade especial concedida por Deus a alguns indivíduos. Essa abordagem ressignifica a solteirice, transformando-a de um estado potencialmente indesejado em uma vocação nobre. O teólogo John Stott argumenta que “o celibato não é uma negação da sexualidade, mas sua sublimação para fins espirituais mais elevados”.

Ademais, a liberdade proporcionada pela vida celibatária permite um foco intenso e ininterrupto em Deus e em Sua obra. Paulo enfatiza que os solteiros têm a vantagem de se preocupar exclusivamente com “as coisas do Senhor” (1 Co 7:32), sem as distrações inerentes à vida conjugal. Essa dedicação singular pode resultar em um ministério mais eficaz e uma espiritualidade mais profunda.

É crucial reconhecer, no entanto, que nem todos são chamados ao celibato. Paulo é claro ao afirmar que “é melhor casar-se do que ficar ardendo de desejo” (1 Co 7:9). Essa declaração valida tanto o casamento quanto a solteirice como opções legítimas, dependendo dos dons e inclinações individuais. O psicólogo cristão Dr. Gary Collins observa que “a aceitação da própria vocação, seja ela o casamento ou o celibato, é fundamental para o bem-estar emocional e espiritual”.

O desafio para os solteiros, portanto, reside em como utilizar sua “solteirice” para o avanço do Reino de Deus. Isso pode envolver uma variedade de atividades, desde um compromisso mais profundo com a oração e o estudo bíblico até um envolvimento mais ativo em ministérios e missões. O missionário Jim Elliot, que permaneceu solteiro até seu martírio, exemplifica como a solteirice pode ser canalizada para um impacto significativo no Reino.

Em suma, o celibato, quando abraçado como um dom divino, pode se tornar um poderoso instrumento para o serviço cristão. Longe de ser uma condição inferior, a solteirice oferece oportunidades únicas para uma devoção singular a Deus e Sua obra. O desafio para a Igreja contemporânea é valorizar e apoiar tanto os casados quanto os solteiros, reconhecendo o potencial único de cada vocação para o avanço do Reino de Deus.

2.Casamento: Muito além do “felizes para sempre” (1 Co 7:1-5, 10-16)

O casamento, instituição milenar, transcende o romantismo idealizado dos contos de fadas. Na perspectiva bíblica apresentada por Paulo em 1 Coríntios 7, o matrimônio é retratado como uma jornada de crescimento mútuo, repleta de desafios e oportunidades para o desenvolvimento espiritual e pessoal.

Primeiramente, Paulo aborda a questão da intimidade conjugal com uma franqueza surpreendente para sua época. Ele enfatiza que o sexo no casamento não é apenas para procriação, mas também para prazer mútuo e proteção contra tentações externas. Esta visão revolucionária reconhece a sexualidade como um dom divino a ser celebrado dentro dos limites do matrimônio. O apóstolo aconselha: “O marido deve cumprir os seus deveres conjugais para com a sua mulher, e da mesma forma a mulher para com o seu marido” (1 Co 7:3). Esta reciprocidade sexual não apenas fortalece o vínculo conjugal, mas também serve como um escudo contra as seduções do mundo exterior.

Além disso, Paulo aborda a delicada questão dos casamentos mistos, onde um cônjuge é crente e o outro não. Ele as vê como oportunidades únicas para o “evangelismo doméstico”. O apóstolo argumenta que o cônjuge crente pode, através de seu exemplo de amor e devoção, ser um instrumento de santificação para o parceiro não crente e para os filhos (1 Co 7:14). Esta perspectiva desafia a noção comum de que a fé deve ser um fator divisivo no casamento, transformando-a em um potencial catalisador para a transformação espiritual.

No entanto, o desafio lançado por Paulo vai além da mera coexistência pacífica ou da evangelização passiva. Ele convoca os casais a um compromisso ativo de fortalecimento contínuo de seus laços matrimoniais. Este chamado ressoa com particular urgência em nossa era de relacionamentos descartáveis. O psicólogo cristão Dr. Gary Chapman, autor de “As Cinco Linguagens do Amor”, corrobora esta visão paulina, afirmando: “O amor é uma escolha diária, não um sentimento passageiro. É um compromisso de buscar o bem do outro, mesmo quando isso exige sacrifício pessoal.”

Em suma, o casamento cristão, conforme delineado por Paulo, é uma jornada de crescimento mútuo, santificação e testemunho vivo do amor de Deus. É um compromisso que vai muito além do “felizes para sempre”, exigindo dedicação diária, graça abundante e uma visão que transcende o aqui e agora, apontando para a eternidade.

3.Divórcio: Quando o “até que a morte nos separe” falha (1 Co 7:10-16, 39)

O apóstolo Paulo, ao abordar a delicada questão do divórcio em 1 Coríntios 7, navega habilmente entre o ideal divino para o casamento e a realidade imperfeita da condição humana. Sua perspectiva equilibrada oferece tanto orientação espiritual quanto sabedoria prática para situações matrimoniais complexas.

Primeiramente, Paulo reafirma o padrão divino para o casamento como uma união permanente. Citando os ensinamentos de Jesus, ele declara: “Aos casados, ordeno, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se separe do marido” (1 Co 7:10). Esta declaração enfática sublinha o ideal de Deus de um compromisso vitalício entre cônjuges. No entanto, o apóstolo não é alheio às realidades do mundo caído em que vivemos.

Reconhecendo a fragilidade humana, Paulo aborda situações em que o divórcio já ocorreu ou parece iminente. Nestes casos, ele aconselha: “Mas, se ela vier a separar-se, que fique sem casar ou que se reconcilie com o marido” (1 Co 7:11). Esta orientação revela uma abordagem compassiva, reconhecendo que, embora o divórcio não seja o ideal de Deus, às vezes ocorre devido à dureza do coração humano, como Jesus também observou (Mt 19:8).

A reconciliação, contudo, é sempre apresentada como a opção preferencial. Paulo encoraja os cônjuges separados a buscarem a restauração do casamento, refletindo o coração reconciliador de Deus. O teólogo Gary Thomas argumenta: “O casamento não é tanto sobre encontrar a pessoa certa, mas sobre se tornar a pessoa certa”. Esta perspectiva enfatiza o potencial transformador do compromisso matrimonial, mesmo em face de dificuldades.

Quanto ao novo casamento, Paulo adota uma postura de cautela, mas não de proibição absoluta. Ele afirma que a viúva “está livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor” (1 Co 7:39). Embora este versículo se refira especificamente a viúvas, muitos teólogos o aplicam por extensão a divorciados em certas circunstâncias. O Dr. David Instone-Brewer, especialista em casamento e divórcio no Novo Testamento, sugere que Paulo permite o novo casamento em casos de adultério, abandono ou abuso grave.

É crucial notar que Paulo trata cada situação com sensibilidade pastoral. Para casamentos mistos, onde um cônjuge é crente e o outro não, ele aconselha o crente a permanecer no casamento se possível, pois sua presença pode ter um efeito santificador (1 Co 7:12-14). No entanto, se o cônjuge incrédulo desejar se separar, o crente não está “sujeito à servidão” (1 Co 7:15), uma frase que alguns interpretam como permissão para o novo casamento nessas circunstâncias.

Em suma, a abordagem de Paulo sobre o divórcio e o novo casamento equilibra o ideal divino com a graça para as realidades humanas. Ele mantém o padrão elevado do casamento permanente, incentiva a reconciliação sempre que possível, mas oferece orientação compassiva para situações em que o casamento se tornou insustentável. Esta perspectiva nos desafia a buscar a restauração e o perdão, mas também reconhece que, em um mundo imperfeito, às vezes são necessárias soluções que, embora não ideais, refletem a graça e a misericórdia de Deus.

Conclusão:

Solteiro, casado ou divorciado – o que importa é viver plenamente para Deus na condição em que Ele nos chamou. O segredo não está no status de relacionamento, mas em como usamos nossa vida para glorificar a Deus e servir ao próximo. Que possamos, como igreja, criar uma comunidade que celebra e apoia pessoas em todas as fases da vida.

👉Gostou do nosso site? Ajude-nos a mantê-lo e melhorá-lo ainda mais!

👉Abençoe-nos com uma oferta via PIX: CPF 02385701421

👉Seja um parceiro desta obra e ajude a espalhar o conhecimento e a palavra de Deus. 

“Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.” Lucas 6:38

SOBRE O AUTOR:
Josias Moura de Menezes

É formado em Teologia, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. É especialista em Marketing Digital, Produção Audiovisual para Web, Tecnologias de Aprendizagem a Distância, Inteligência Artificial, Jornalismo Digital e possui Mestrado em Teologia. Atua ministrando cursos de capacitação profissional e treinamentos online em diversas áreas. Para mais informações sobre o autor <clique aqui>.

Compartilhe esta mensagem

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
Email

FAÇA NOSSOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA GRATUITOS

Livre

Capacitação em Gestão do Tempo, Planejamento Pessoal e Produtividade – Gratuito

ADQUIRA NOSSAS BIBLIOTECAS DIGITAIS

Show Comments (0)

Deixe uma resposta