Assine nosso site

Receba nossas publicações em seu email.

Junte-se a 8.543 outros assinantes

Lições 7,8 e 9 da EBD.

QUER RECEBER ARTIGOS INFORMATIVOS, ESTUDOS BÍBLICOS, REFLEXÕES, SERMÕES E CURSOS GRATUITOS TODA SEMANA EM SEU WHATSAP?

Entre no grupo do Professor Josias Moura agora e receba todos estes recursos gratuitamente.

Lição 07: O Relacionamento Entre Nora e Sogra

TEXTO ÁUREO

“Disse, porém, Rute: Não me instes para que te deixe e me afaste de ti; porque, aonde quer que tu fores, irei eu e, onde quer que pousares à noite, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus. (Rt 1.16)

VERDADE PRÁTICA

A fé cristã exalta o amor familiar e, mais especificamente, o respeito e a honra entre nora e sogra, bem como genro e sogro.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Lv 26.18-20 A disciplina de Deus para com o seu povo
Terça – Rm 8.28 Os acontecimentos contribuem para o bem
Quarta – Rm 8.31 Deus está a favor do seu povo
Quinta – Hc 2.4; Rm 1.17 Na família é preciso viver pela fé
Sexta – 2 Co 8.9 A pobreza nos legou riquezas gloriosas
Sábado – Mt 1.3-6 Rute encontra-se na genealogia de Jesus
Hinos Sugeridos: 83, 400, 546 da Harpa Cristã

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Rute 1.1-5, 8,12-14

1- E sucedeu que nos dias em que os juízes julgavam, houve uma fome na terra; pelo que um homem de Belém de Judá saiu a peregrinar nos campos de Moabe, ele, e sua mulher, e seus dois filhos.
2- E era o nome deste homem Elimeleque, e o nome de sua mulher, Noemi, e os nomes de seus dois filhos, Malom e Quiliom, efrateus, de Belém de Judá; e vieram aos campos de Moabe e ficaram ali.
3- E morreu Elimeleque, marido de Noemi; e ficou ela com os seus dois filhos,
4- Os quais tomaram para si mulheres moabitas; e era o nome de uma Orfa, e o nome da outra, Rute; e ficaram ali quase dez anos.
5- E morreram também ambos, Malom e Quiliom, ficando assim esta mulher desamparada dos seus dois filhos e de seu marido.
8 E disse Noemi às suas duas noras: Ide, voltai cada uma à casa de sua mãe; e o Senhor use de benevolência, como usastes com os falecidos e comigo.
12- Tornai, filhas minhas, ide-vos embora, que já mui velha sou para ter marido; ainda quando eu dissesse: Tenho esperança, ou ainda que esta noite tivesse marido, e ainda tivesse filhos,
13- esperá-los-íeis até que viessem a ser grandes? Deter-vos-íeis por eles, sem tomares marido? Não, filhas minhas, que mais amargo é a mim do que a vós mesmas; porquanto a mão do Senhor se descarregou contra mim.
14- Então, levantaram a sua voz e tornaram a chorar; E Orfa beijou a sua sogra; porém Rute se apegou a ela.

PLANO DE AULA

1- INTRODUÇÃO
Diante do estigma cultural do relacionamento com as sogras em nosso país, com um ente motivo de piada mesmo entre os evangélicos, pode soar inusitado que uma das histórias mais belas de companheirismo das Escrituras se dê justamente entre Rute e sua sogra Noemi. Essa lição torna-se, portanto, uma excelente oportunidade para repensarmos esses paradigmas e os dilemas familiares em torno dessa relação de parentesco tão emblemática. Procure compreender o contexto diverso entre os seus alunos, já que para muitos a figura da sogra pode ser como a de uma segunda mãe, enquanto para outros, no entanto, pode representar algo problemático e até pesaroso. Conduza a sua classe a refletir sobre que fatores estabelecem essa dinâmica e, independentemente de como seja tal relação, que lições podemos extrair para as nossas vidas desse que é um dos mais lindos exemplos de bom relacionamento entre nora e sogra da história.
2- APRESENTAÇÃO DA LIÇÃO
A) Objetivos da Lição:
I) Apresentar o contexto de crise socioeconômica na Judeia, somado ao drama familiar causado pelo luto de Noemi e Rute
II) Identificar que a união de fé entre nora e sogra foram cruciais para a superação das adversidades inerentes à vida;
III) Refletir sobre como, ao honrar sua sogra, Rute gerou bons frutos para toda a família, repercutindo até mesmo na linhagem do Messias;
IV) Enfatizar as bênçãos de Deus a partir do relacionamento entre nora e sogra.
B) Motivação: Em meio a uma sociedade habituada a satirizar a figura da sogra, apresentar um caso que vá no contrafluxo pode ser desafiador, mas extremamente potente para inspirar melhores relacionamentos. Por meio desse estudo, relações podem ser saradas ou ao menos revistas, com uma nova perspectiva e lições aprendidas através da relação honrosa – e honrada por Deus – entre Rute e Noemi.
C) Sugestão de Método:Pergunte à classe como ela demonstraria gratidão a quem lhe desse um presente suntuoso, algo que fosse até mesmo a realização de um sonho. Deixe que alguns se expressem e pergunte em seguida: Você acha que lembrar da gratidão por esse presente ajudaria a conduzir melhor alguns impasses na relação com tal pessoa? Após conjecturas, diga: Essa pessoa é a sua sogra – quem gerou, criou e nos confiou o nosso cônjuge, nossa própria carne (Mc 10.8) – presente que já foi tão sonhado por nós quando orávamos para construir uma família. Frise que, a despeito das discordâncias, o motivo que nos une às nossas sogras sempre será maior para nos impulsionar a relevar, perdoar, entrar em acordo e fazer todo o possível para construir uma relação respeitosa, em benefício daqueles a quem mais amamos. Honrar sogras (e noras) é, portanto, uma forma de demonstrar gratidão a Deus e zelo pela família inteira que Ele nos concedeu. E, assim como nos mostra o exemplo de Rute e Noemi, Deus honra a quem sabe honrar.
3- CONCLUSÃO DA LIÇÃO
A) Aplicação: Como sabemos, embora fiéis ao Senhor, no mundo teremos aflições. E Deus nos deu a família como uma das forças motoras mais poderosas para nos ajudar a superar todas elas. Ao zelar pelo bom relacionamento com a nossa sogra, todos os membros da família são abençoados. Por meio da união de fé entre nora e sogra, adversidades intransponíveis são, em Deus, superadas. E não apenas isso, tal comunhão, sobretudo em meio às crises, pode repercutir em bênçãos espirituais derramadas sobre toda a nossa família. Como muito bem nos mostra 0 exemplo de Rute e Noemi, Deus honra a quem sabe honrar.
4- SUBSÍDIO AO PROFESSOR
A) Revista Ensinador Cristão. Vale a pena conhecer essa revista que traz reportagens, artigos, entrevistas e subsídios de apoio à Lições Bíblicas Adultos. Na edição 93, P-39, você encontrará um subsídio especial para esta lição.
B) Auxílios Especiais: Ao final do tópico, você encontrará auxílios que darão suporte na preparação de sua aula:
1) O texto “ O cuidado de Deus em tempos de aflição ”, localizado ao final do primeiro tópico, mostra que o crente fiel também passa por adversidades. Contudo, o Senhor faz todas elas cooperarem para o bem e o cumprimento de seus gloriosos
propósitos;
2) O texto “ Deus honra aos que permanecem fiéis”, localizado ao final do segundo tópico, traz uma reflexão a respeito de como o Senhor abençoa aos que permanecem íntegros em momentos de dor e desespero, recompensando-nos com muito mais do que pedimos ou pensamos.

INTRODUÇÃO

Nesta lição, estudaremos uma das mais belas histórias bíblicas em que se exalta o amor e a virtude da mulher moabita chamada Rute. É a história de um drama familiar que envolve o luto, a subsistência e a desesperança. Trata-se de uma crise generalizada de pobreza, doença, viuvez e morte. Contudo, nesse drama familiar, a obstinação de Rute se destaca, pois ela foi capaz de superar as dificuldades com atitudes de fé, inteligência, lealdade, persistência e esperança. É a narrativa bíblica de uma nora que cultivava um verdadeiro amor no coração pela sua sogra e, por isso, foi capaz de enfrentar a crise da escassez numa terra inóspita, longe de seu povo original. Temos muito o que aprender com o relato bíblico do relacionamento entre Rute e sua sogra Noemi.

PALAVRA-CHAVE: HONRA

I – A CRISE ECONÔMICA NA TERRA DA JUDÉIA

1- A escassez que provocou fome na “casa de pão” (Rt 1.1). O alimento básico das famílias que viviam na região da Judéia estava escasso por causa do mau governo dos últimos juízes de Israel, que abandonaram o Senhor. A cidade de Belém , de onde Noemi saiu com seu marido Elimeleque, era o lugar que, anteriormente, sofreu de sequidão e escassez. Ora, a palavra Belém significa “casa de pão”, mas a “cidade do pão” estava sem o pão que representava o sustento material do povo.

A cidade deixou de ser um celeiro de grãos para ser um lugar de escassez e fome, carestia e seca por toda a parte da terra de Canaã. Na Bíblia, às vezes, a fome é um modo de Deus disciplinar o povo que pecou contra Ele (Lv 26.18-20). Naquele tempo, Israel havia se afastado da comunhão com Deus e chegado ao ponto de cultuar os ídolos pagãos. A bem da verdade, nem todos agiam do mesmo modo, mas a disciplina era para todos.

2- A crise de uma família (Rt 1.1-3). A família do livro de Rute era constituída por Elimeleque, Noemi, os filhos Malom e Quiliom enquanto estavam na Judéia. A crise econômica obrigou Elimeleque a tomar uma decisão em busca de solução para a subsistência da família em outro lugar. Em vez de ficar parado, ele tomou o caminho que parecia mais racional, o caminho das terras planas de Moabe.

Elimeleque conhecia o Senhor, mas não o buscou para tomar aquela importante decisão. Ao chegarem a Moabe, a experiência não foi fácil. Ali, em Moabe, a família encontrou a morte, o luto e a viuvez que envolveram a vida dessa família quando Elimeleque faleceu e Noemi ficou viúva e com seus dois filhos (Rt 1.3a).

O casamento de seus dois filhos com duas moabitas trouxe a esperança de volta ao coração de Noemi (Rt 1.3b). Mas, de repente, os dois filhos faleceram, deixando as esposas viúvas (Rt 1.5). Agora eram três viúvas que, no contexto da época, teriam enormes dificuldades de sobrevivência. Essa história nos mostra que uma família pode estar no centro de um profundo sofrimento, e que isso pode afetar o relacionamento de pessoas muito próximas como a nora e a sogra, o genro e o sogro. Como se comportar diante dessas circunstâncias?

SINOPSE I

A crise econômica na Judeia e as fatalidades no seio familiar de Noemi e Rute tornaram a aliança entre elas ainda mais forte.

AMPLIANDO O CONHECIMENTO

“NOEMI E RUTE: UMA HISTÓRIA DE BÊNÇÃOS
A história de Noemi e Rute é marcada por uma série de bênçãos. Primeiro Rute abençoa Noemi ficando com ela. Então Noemi abençoa Rute, ajudando-a a encontrar um marido. Boaz subsequentemente abençoa Rute com um lar, e Deus os abençoa com um filho. Depois, as mulheres de Belém dizem a Noemi que ela é abençoada com uma nora que vale mais do que sete filhos.” Amplie mais o seu conhecimento, lendo Mulheres Marcantes da Bíblia, editada pela CPAD, pp.89-96.

AUXÍLIO BIBLIOLÓGICO

O CUIDADO DE DEUS EM TEMPOS DE AFLIÇÃO
“A história de Rute desenrola-se durante o período dos juízes. Ela revela que durante a deplorável apostasia moral e espiritual daqueles dias, havia um remanescente fiel que continuava a amar e obedecer a Deus. O livro salienta o fato de que Deus opera na vida daqueles que permanecem fiéis a Ele e à sua Palavra. Embora Noemi fosse uma fiel seguidora do Senhor, experimentou grande adversidade. Ela e a sua família sofreram os efeitos da fome, e tiveram que abandonar a sua própria casa. Além disso, ela perdeu seu marido e seus dois filhos. Parecia que o Senhor a abandonara e até mesmo se voltará contra ela. A história de Rute, no entanto, revela que Deus continuava cuidando dela, inclusive agindo através de terceiros, para socorrê-la em suas necessidades. Como no caso de Noemi, crente fiel e leal a Cristo pode experimentar grandes adversidades na sua vida. Tal fato não significa que Deus o abandonou ou que está castigando. As Escrituras frisam, repetidas vezes, que Deus continua, com todo o amor, a fazer todas as coisas cooperarem para o nosso bem em tempos de aflição” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p.422).

II – SUPERANDO AS CRISES EXISTENCIAIS

1- Noemi decide voltar à sua terra (Rt 1.6-8). Viúva com suas duas noras moabitas, Orfa e Rute, também viúvas, Noemi resolve voltar à sua terra na Judéia depois de 10 anos longe (Rt 1.4). Era uma mulher envelhecida e, por isso, resolveu liberar suas noras Orfa e Rute para que voltassem às suas famílias de origem em Moabe. Órfã aceitou a liberação de sua sogra e voltou para sua família, mas Rute resolveu ficar com Noemi (Rt 1.15-18). Provavelmente, Noemi pensou que Deus a estivesse castigando com todos os sofrimentos experimentados, e não imaginava o plano divino em todas aquelas circunstâncias.

Na decisão de Rute, nascia uma amizade profunda entre nora e sogra, entre duas mulheres que seriam experimentadas pelo sofrimento. Aprendemos com o apóstolo Paulo que “ todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rm 8.28 – NAA).

2- Rute conhece o Deus de sua sogra (Rt 1.16). Rute declarou de coração sincero à sua sogra Noemi: “O teu povo é o meu povo, O teu Deus é o meu Deus” (Rt 1.16). Ela teve um gesto de amor exemplar para com Noemi. A convivência com a sogra levou Rute a conhecer o Deus de Noemi. A despeito dos sofrimentos e necessidades vividos dentro daquela família, a moabita descobriu que o Deus de sua sogra era o Deus verdadeiro, que supre as nossas necessidades (Fp 4.19).

Rute apegou-se à Noemi, não só pelos laços familiares, mas também pela fé no Deus de Israel porque a sua sogra dava o exemplo de uma mulher temente a Deus. Quando sogra e nora estão unidas na presença de Deus é uma bênção para toda a família. Por intermédio dessa união, Deus traz provisões extraordinárias para as necessidades familiares.

3- Unidas contra a crise. Toda família pode passar um período em que parece que não há perspectiva de mudança diante de uma situação difícil. Como no caso de Noemi, às vezes, a família parece chegar a “um beco sem saída” para a vida material, emocional e, até mesmo, o espiritual.. Até certo ponto isso é natural, pois quando nos deparamos com determinadas crises, nossa visão tende a ficar embaçada e limitada. Entretanto, a Palavra de Deus diz: “Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 8.31).

Deus é pelo seu povo. Isso não é diferente com a nossa casa. A providência de Deus pode começar no relacionamento entre os membros da família. Ora, no momento de uma crise familiar, a última coisa que pode acontecer é uma “ guerra” entre seus membros. Já imaginou como ficaria muito mais pesada a carga de Noemi e Rute se elas não estivessem unidas? Sim, Rute, a nora de Noemi, foi capaz de superar as crises de sua casa, e da sua sogra, com uma visão de esperança, paciência e tenacidade para superar todas as dificuldades da família. Sua perspectiva de fé animou sua sogra e, juntas, contemplaram o agir de Deus em favor de sua família.

SINOPSE II

A lealdade entre Noemi e Rute é evidenciada na decisão de ambas, uma indo e a outra ficando, a fim de superarem juntas, em Deus, todas as dificuldades.

AUXÍLIO VIDA CRISTÃ

DEUS HONRA AOS QUE PERMANECEM FIÉIS
“No mundo antigo, não havia quase nada pior do que ser uma viúva. Muitas pessoas tiravam vantagem das viúvas ou as ignoravam . Elas eram quase sempre atingidas pela pobreza. Portanto, a Lei de Deus ordenava que o parente mais próximo do marido falecido cuidasse da viúva. Mas Noemi não tinha parentes em Moabe, e não sabia se algum dos parentes do marido estavam vivos em Israel.

Mesmo em uma situação desesperadora, Noemi teve uma atitude altruísta. Embora ela tenha decidido voltar para Israel, encorajou Rute e Orfa a permanecerem em Moabe e recomeçarem suas vidas, mesmo que isto trouxesse dificuldades para ela. Belém ficava a aproximadamente oito quilômetros a sudoeste de Jerusalém. A cidade era cercada por oliveiras e campos verdejantes. Suas colheitas eram abundantes.

Certamente, o retorno de Rute e Noemi a Belém foi parte do plano de Deus, porque nesta cidade nasceria Davi (1 Sm 16.1). Como previsto pelo profeta Miquéias (Mq 5.2), Jesus Cristo também nasceria neste lugar. Portanto, esta mudança foi mais do que mera conveniência para Rute e Noemi. Ela propiciou o cumprimento das Escrituras” (Bíblia de Estudo Cronológico Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, p.422).

III – FÉ E TRABALHO NUMA NOVA PERSPECTIVA

1- A chegada à terra do pão (Rt 1.19). A chegada das duas mulheres viúvas à Judeia, mais especificamente a Belém, depois de 10 anos, causou alvoroço na cidade (Rt 1.19). Os antigos conhecidos de Noemi queriam saber o que havia acontecido com sua família. Ela ainda era uma mulher amargurada com as duras experiências passadas em Moabe e preferia ser chamada de “Mara” cujo significado no hebraico é “amarga” (Êx 15.23). Sua queixa se resumia a declarar que Deus parecia tê-la abandonado.

Entretanto, o Senhor estava no comando da sua vida para um propósito maior do que ela poderia imaginar. Sua humilhação e tristeza começaram a ser transformadas em alegria. Assim, quando Noemi e Rute empreenderam a viagem para a Judéia, havia uma nova esperança em seus corações. Rute se tornará uma mulher de fé disposta a superar a crise de subsistência, confiando inteiramente no Deus de sua sogra. Então, sogra e nora agora estão juntas vivendo da fé, como a Bíblia diz: “O justo viverá da sua fé” (Hc 2.4.; Rm 1.17).

2- Recuperando a autoestima (Rt 1.15- 18). Rute deu uma demonstração de carinho e amor por Noemi que a fez entender que ainda havia esperança. Elas haviam chegado à Belém no “princípio da colheita das cevadas” (Rt 1.22). Se em Moabe a situação era precária, em Belém havia esperança de “não faltar nada” para ambas. Rute usou sua perspicácia para suprir a necessidade da casa (Rt 2.2). Essa atitude contribuiu para que Noemi levantasse seu estado de espírito e sua autoestima. É muito importante que, na família, haja pessoas dispostas a animar as outras.

3- A honra do trabalho no campo de Boaz (Rt 2.8-17). Havia um campo que pertencia a um parente de Elimeleque, chamado Boaz (Rt 2.1). Rute foi para esse campo de cevada a fim de ajuntar as espigas que os segadores abandonavam, prática permitida é concedida aos pobres pela lei mosaica (Dt 24.19-21). Assim, Rute se dispôs a trabalhar pelo seu sustento e de sua sogra, Noemi (Rt 2.7). Ela teve iniciativa e persistência, não teve medo de correr riscos (Rt 2.2), estava determinada e disposta para alcançar o objetivo desejado. Mais adiante, ao descobrir a generosidade desta estrangeira para com sua sogra, Boaz ofereceu seu campo, sua proteção e se tornou o provedor de Noemi e Rute.

SINOPSE III

A chegada a Belém, o trabalho de Rute e a descoberta de um possível remidor reacenderam a esperança e autoestima em Noemi.

IV- RUTE ENCONTRA O REMIDOR DA FAMÍLIA

1- Rute descobre o remidor de Noemi (Rt 4.1-9). Ao se dispor a apanhar restos das espigas deixadas pelos empregados de Boaz, Rute descobre que ele era parente de Elimeleque e, por isso, segundo a lei, Boaz podia redimir essa herança para que ficasse dentro da família e a viúva não ficasse mais desamparada. Ele fez todo o procedimento a respeito da propriedade conforme orientava a lei. Aqui, podemos perceber que Boaz é um tipo de Cristo, o nosso Redentor que, sendo rico se fez pobre para nos fazer herdeiros das suas riquezas espirituais (2 Co 8.9). Há riquezas de Cristo para a nossa família.

2- Boaz redime Rute, a moabita (Rt 4.11-13). Boaz foi para a porta da cidade, onde se reuniam os anciãos do povo, na forma de um júri, os quais julgavam as causas do povo. O remidor, por direito, era outro homem, porque aquela parte da terra, que pertencia a Elimeleque, estava à venda. Portanto, a herança representada por aquele pedaço de terra pertencia a outro, mas Boaz se dispôs a casar-se com Rute para que aquela terra fosse dele, convencendo os anciãos e o antigo dono a fazerem assim.

Mais que isso, Boaz redimiria Rute, pagando o preço daquela terra e o direito de resgate da viúva. Foi assim que Rute, a moabita, entrou para a genealogia de Jesus (Mt 1.5). Após casar-se com Boaz, ela deu à luz um filho, o qual recebeu o nome Obede, o pai de Jessé; e este, o pai de Davi, o grande rei de Israel (Rt 4 -13)17)- Quando Jesus se manifestou na Terra, tornou-se conhecido como 0 “filho de Davi” (Mt 1.3-6), formando os elos da linhagem do Messias.

3- Noras e sogras. O relacionamento entre nora e sogra tem muito a ver com o equilíbrio do relacionamento familiar. Se a relação entre elas não for sadia, muitas outras relações familiares podem ser afetadas. A história bíblica de Rute e Noemi nos mostra que é a vontade de Deus que noras e sogras, bem como genros e sogros, tenham um relacionamento em que o fruto do Espírito seja revelado (Gl 5.22-24).

Com a história dessas duas personagens, aprendemos que nora e sogra podem superar, juntas, a dor do luto, o período de escassez em que toda família está sujeita a passar, a enfermidade de um filho ou de um neto. Nos momentos difíceis na família, elas podem ser um esteio para todos. A Palavra de Deus diz que em tudo devemos glorificar ao Senhor e isso passa pelos relacionamentos mais próximos dos cristãos (1 Co 10.31).

SINOPSE IV

O Senhor honrou suas servas fiéis por meio de Boaz, o resgatador, que tipifica a ação remidora de Jesus Cristo, inserindo-nos à família de Deus.

CONCLUSÃO

A história bíblica de Rute é um exemplo de fé no relacionamento entre uma nora e sua sogra. Mesmo sendo uma estrangeira, Rute foi capaz de cuidar da sua sogra, demonstrando grande carinho e respeito por ela, além de administrar dentro de si perdas enormes: O cunhado e o marido. Mas diante de tudo isso, Deus honrou seu trabalho pelo qual sustentou a si mesma e a casa de Noemi. Portanto, a vontade de Deus é que sogras e noras, bem como genros e sogros, vivam em união de maneira que a família seja ricamente abençoada por Deus.

REVISANDO O CONTEÚDO

1- O que significa a palavra “Belém”? Significa “casa de pão”.
2- Como era constituída a família de Noemi enquanto estava na Judéia? Era constituída por Elimeleque, Noemi, os filhos Malom e Quiliom.
3- A despeito de todos os sofrimentos e necessidades vividos dentro daquela família, o que Rute descobriu? Rute descobriu que o Deus de sua sogra era o Deus verdadeiro que supre as nossas necessidades (Fp 4.19).
4- Segundo a lição, em que tipo de mulher Rute se tornou? Rute se tornará uma mulher de fé, disposta a superar a crise de subsistência, confiando inteiramente no Deus de sua sogra.
5- O que podemos perceber a respeito de Boaz? Boaz é um tipo de Cristo, o nosso Redentor que, sendo rico, se fez pobre para nos fazer ricos e herdeiros das suas riquezas espirituais (2 Co 8.9).

Lição 08: A Importância da Paternidade na Vida dos Filhos

TEXTO ÁUREO

“E vós, pais, não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor. (Ef 6.4)

VERDADE PRÁTICA

Quando o padrão divino para a criação de filhos é negligenciado, as consequências são terríveis para a família cristã.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Sl 49.3 Falar com sabedoria
Terça – Dt 6.6,7 Leia a Palavra de Deus com seus filhos
Quarta – Ef 6.4 Eduque seus filhos com disciplina
Quinta – Pv 22.6 Ensina o caminho certo
Sexta – Sl 119.97-99 Ensine seu filho a amar a lei de Deus
Sábado – Js 24.15 Eu e minha família serviremos a Deus
Hinos Sugeridos: 50,131, 558 da Harpa Cristã

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

1 Samuel 2.12-17,22; 8.1-3

1 Samuel 2
12 – Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial e não conheciam o Senhor;
13 – porquanto o costume daqueles sacerdotes com o povo era que, oferecendo alguém algum sacrifício, vinha o moço do sacerdote, estando-se cozendo a carne, com um garfo de três dentes em sua mão;
14 – e dava com ele, na caldeira, ou na panela, ou no caldeirão, ou na marmita; e tudo quanto o garfo tirava o sacerdote tomava para si; assim faziam a todo o Israel que ia ali a Siló.
15 – Também, antes de queimarem a gordura, vinha o moço do sacerdote e dizia ao homem que sacrificava: Dá essa carne para assar ao sacerdote, porque não tomará de ti carne cozida, senão crua.
16 – E, dizendo-lhe o homem: Queimem primeiro a gordura de hoje, e depois toma para ti quanto desejar a tua alma, então, ele lhe dizia: Não, agora a hás de dar; e, se não, por força a tomarei.
17 – Era, pois, muito grande o pecado desses jovens perante o Senhor, porquanto os homens desprezavam a oferta do Senhor.
22 – Era, porém, Eli já muito velho e ouvia tudo quanto seus filhos faziam a todo o Israel e de como se deitavam com as mulheres que em bandos se ajuntavam à porta da tenda da congregação.

1 Samuel 8
1 – E sucedeu que, tendo Samuel envelhecido, constituiu a seus filhos por juízes sobre Israel.
2 -E era o nome do seu filho primogênito Joel, e o nome do seu segundo, Abias; e foram juízes em Berseba.
3 – Porém seus filhos não andaram pelos caminhos dele; antes, se inclinaram à avareza, e tomaram presentes, e perverteram o juízo.

PLANO DE AULA

1- INTRODUÇÃO
Nesta lição estudaremos a história das famílias de dois sacerdotes: Eli e Samuel. Veremos que, apesar da dedicação desses homens ao ministério, seus filhos não seguiram pelo caminho da fidelidade ao Senhor. Nosso propósito é que, a partir dessas duas histórias bíblicas, os pais homens reflitam a respeito de suas responsabilidades como pais cristãos quanto à paternidade bíblica. Há mandamento do Senhor para os homens quanto à criação de seus filhos.
2- APRESENTAÇÃO DA LIÇÃO
A) Objetivos da Lição:
I) Apresentar o conceito de paternidade segundo a Bíblia;
II) Apontar os tipos de paternidade que são prejudiciais para a família;
III) Destacar a importância e o valor da paternidade responsável na formação espiritual e moral dos filhos.
B) Motivação: O cuidado da família, em especial a educação dos filhos, exige muita dedicação, tempo, compromisso e responsabilidade. Por isso, precisamos refletir e aprender sobre esse tema. As escolhas de um pai, seus exemplos pessoais e os tipos de relacionamento que formam com seus filhos podem trazer bons ou maus frutos.
C) Sugestão de Método: Para introduzir esta lição, inicie uma conversa com a sua turma. Pergunte aos alunos: “Qual foi a importância do seu pai na sua vida? Ou qual a melhor lembrança que você tem do seu pai?” Após a participação dos alunos, reflita que o relacionamento que vivenciamos com os nossos pais e com os nossos filhos pode trazer grande impacto para toda a família. Em seguida, apresente o primeiro tópico.
3- CONCLUSÃO DA LIÇÃO
A) Aplicação: Refletir, ensinar e motivar a prática de uma paternidade responsável é um grande desafio na atualidade. Infelizmente, alguns pais não assumem a responsabilidade paterna. Muitas famílias clamam pelo cuidado, ensino e disciplina de um pai presente e temente a Deus.
4- SUBSÍDIO AO PROFESSOR
A) Revista Ensinador Cristão. Vale a pena conhecer essa revista que traz reportagens, artigos, entrevistas e subsídios de apoio à Lições Bíblicas Adultos. Na edição 93, p.40, você encontrará um subsídio especial para esta lição.
B) Auxílio s Especiais: Ao final do tópico, você encontrará auxílios que darão suporte na preparação de sua aula:
1) O texto “ Os filhos dos sacerdotes”, localizado ao final do primeiro tópico, expõe os perfis dos filhos de Eli e de Samuel;
2) O texto “A falta de disciplina prejudica os filhos”, localizado ao final do segundo tópico, exemplifica essa verdade na história dos filhos de Eli.

INTRODUÇÃO

Nesta lição, focaremos duas famílias que tiveram problemas na formação de seus filhos. Na família de Eli, seus filhos Hofni e Finéias, sob a conduta negligente de seu pai, tornaram-se profanos no exercício do sacerdócio. Na família de Samuel, seus filhos Joel e Abias tornaram-se avarentos e gananciosos, não tendo respeito pelo que representavam para Israel. A lição mostrará que os pais são os responsáveis pela boa formação moral e espiritual dos filhos, antes da igreja local e das instituições educativas.

Palavra-Chave: Paternidade

I – A PATERNIDADE DENTRO DA FAMÍLIA

1- A primeira família. Após a queda, o primeiro casal criado, Adão e Eva, inicialmente gerou dois filhos, formando, assim, a primeira família (Gn 4.1,2). No princípio da humanidade, a figura do pai definia-se como o líder dentro do lar, responsável por prover alimento e cuidar da segurança de sua família. O papel da mulher era o de cuidar dos filhos, da casa e ser a ajudadora de seu esposo. No caso de alguns sacerdotes, o exercício sacerdotal passava a ser mais importante do que a criação dos filhos. Eli e Samuel, a despeito da vida ilibada perante Deus e o povo, foram displicentes com a sua própria família, principalmente, com os seus filhos.

2- A falta de autoridade no lar. Os sacerdotes Eli e Samuel eram homens que exerciam autoridade no serviço sacerdotal, mas foram descuidados com relação à autoridade no lar. No contexto atual, a história se repete. Muitos obreiros cuidam bem das coisas espirituais e provêm as suas famílias, mas falham com suas responsabilidades a respeito da criação dos filhos. Esse desempenho negativo tem produzido inconsoláveis decepções dos filhos com seus pais. É possível imaginar dois sacerdotes que ministravam em Israel no Tabernáculo, mas seus filhos tornaram-se profanos e enganosos perante toda a congregação de Israel (1 Sm 2.12; 8.13)? Infelizmente, somente seus pais não percebiam que seus filhos apresentavam problemas de ordem moral e espiritual. Os velhos sacerdotes exerciam autoridade em todo o Israel, mas não a exerciam dentro de casa, porque os filhos os enganavam.

3- Os problemas de uma paternidade ausente. Na vida da família, os pais são os responsáveis pela formação moral e espiritual dos filhos. O modo como os filhos são educados se revela nos seus padrões de comportamento quando se tornam adultos. Especialistas atestam que a presença da figura paterna é muito importante para o desenvolvimento do indivíduo. Ela oferece uma espécie de sustentáculo afetivo. Nesse sentido, a ausência da figura do pai é um problema grave para a família. Há estudos que mostram o impacto da ausência paterna na formação dos filhos. O pai cristão é uma referência de segurança para eles, de equilíbrio, controle das emoções e de estabelecimento de prioridades para a vida (1 Tm 3.4). Além disso, de modo geral, os pais transmitem aos filhos valores quanto à bondade, à gentileza, o falar correto, dentre muitos outros. Infelizmente, quando isso é negligenciado, o resultado pode ser desastroso. No caso dos sacerdotes em questão, eles não dispensavam tempo para os filhos que se tornaram rebeldes e profanos.

SINOPSE I

A paternidade é uma função que proporciona um sustentáculo afetivo importante para o desenvolvimento da criança.

AUXÍLIO BIBLIOLÓGICO

OS FILHOS DOS SACERDOTES
“Os filhos maus de Eli (2 Sm 2.12- 17). Hofni e Finéias são descritos como filhos de belial e não conheciam ao Senhor […]. Nas Escrituras ‘conhecer’ ou ‘não conhecer’ O Senhor normalmente se refere a um conhecimento pessoal de Deus em adoração e obediência. Os hebreus não consideravam o conhecimento primeiramente como algo intelectual, mas sim como algo completamente pessoal. O termo usado significava ‘ter proximidade de’, em vez de simplesmente ‘conhecer’. Mesmo treinados no ritual e nas cerimônias do Antigo Testamento e, sem dúvida, familiarizados com as exigências da lei, esses dois jovens eram maldosos e inescrupulosos em caráter pessoal […]. A passagem [de 1 Samuel 8.1-3] sugere que Sam uel associou seus filhos consigo mesmo devido à sua própria idade avançada. Os seus próprios nomes expressavam a devoção que havia no coração de Samuel: Joel significa ‘O Senhor é Deus’, e a Abias quer dizer ‘O Senhor é Pai’. Infelizmente eles não corresponderam à esperança que seus nomes expressavam. Uma ironia semelhança entre os últimos anos de Samuel e de Eli está descrita no versículo 3. Nos dois casos, os filhos em quem se confiava provaram ser desleais” (Comentário Bíblico Beacon. Vol. 2. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp.182,193).

II – TIPOS DE PATERNIDADE EXTREMISTA

Não existe um padrão duplo quanto às regras morais dentro da família. O padrão ético é um só e a ética cristã orienta os pais quanto aos cuidados que devem ter na criação dos filhos. Há, pelo menos, dois tipos de paternidade que devem ser evitados e corrigidos.

1- A paternidade autoritária. O pai autoritário trata os filhos como se fossem elementos neutros, sem sentimentos, sem memória e sem vontade. Geralmente, a paternidade autoritária é aquela que tão somente dá ordens aos filhos. Esse tipo de autoridade de imposição sabe apenas manipular os filhos e exigir deles comportamentos forçados. Os filhos obedecem por medo, culpa, remorso e rancor. O zelo extremo de certos pais os tem feito perder seus filhos, que se desviam e, infelizmente, alguns nunca mais voltam à igreja e, consequentemente, desviam-se da presença do Senhor. Esses pais precisam ouvir e praticar a Palavra de Deus que diz: “E vós, pais, não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor” (Ef 6.4).

2- A paternidade permissiva. Quando o pai não se importa com os princípios bíblicos e deixa à mercê dos filhos a liberdade para decidirem sobre o que quiserem, o fim será calamitoso. Essa paternidade, ou até mesmo a maternidade, é um tipo de tolerância sem freio algum, que induz a criança até a imaginar que seus pais não as amam e nem se importam com suas necessidades emocionais e físicas. Ora, o pai permissivo é aquele que entende que os filhos devem tê-los como exemplo, mas não os corrigem quando cometem erros e nem os aconselham quando se decepcionam com situações mais complexas na vida.

O sábio Salomão adverte-nos: “Visto como se não executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para praticar o mal” (Ec 8.11). Os dois tipos de paternidade são negativos e prejudiciais ao bem estar da família. A falta de uma paternidade segura, presente e responsável produz uma família infeliz.

3- Eli criou filhos que se tornaram profanos. O texto bíblico diz: “Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial” (1 Sm 2.12). A palavra “belial” é um termo um pouco obscuro, mas o hebraico tem na palavra beliya-al, cujo prefixo bel e o seu sufixo yafal podem significar “sem proveito, imprestável, inútil”. Pode também significar “ perversão ou ser pervertido”, e os filhos de Eli foram homens pervertidos e irreverentes, que não respeitavam as coisas sagradas do Tabernáculo (l Sm 2.13-17). É lamentável um pai que tinha uma posição especial de representação de Deus perante Israel, tornar-se um pai relapso com a família.

SINOPSE II

A paternidade autoritária e a permissiva são prejudiciais à família.

AUXÍLIO VIDA CRISTÃ

A FALTA DE DISCIPLINA PREJUDICA OS FILHOS
“A lei estipulava que as necessidades de todos os levitas deveriam ser supridas através dos dízimos do povo (Nm 18.20-24; Js 13.14,33). Os filhos de Eli abusavam de sua posição de sacerdotes para satisfazer sua ganância pelo poder, posses e controle. Seu desprezo e arrogância tanto para o povo como para adoração enfraqueceram a integridade de todo o sacerdócio. Eli sabia que seus filhos eram maus, mas pouco fez para corrigi-los ou impedi-los, mesmo quando a integridade do santuário de Deus fora ameaçada.

Como sumo sacerdote, Eli deveria ter respondido mediante a correção dos seus filhos (Nm 15.22-31). Não admira que ele tenha preferido não confrontar a situação. Mas ao ignorar suas ações egoístas, Eli permitiu que seus filhos arruinarem suas próprias vidas e as de muitos outros. Existem momentos quando os problemas difíceis devem ser confrontados, ainda que o processo e as consequências sejam dolorosos” (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2017, p.368).

III – O FRACASSO DE DOIS PAIS RELAPSOS COM OS FILHOS

1- Omissos para com os filhos. O texto de 1 Samuel 2.12 diz: “Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial e não conheciam ao Senhor”. Imaginem um homem dedicado ao ministério sacerdotal por mais de 40 anos, que tinha uma família constituída de, pelo menos, dois filhos, os quais, convivendo com os trabalhos sacerdotais do pai, “não conheciam ao Senhor”. No caso de Samuel não foi muito diferente, seus filhos não tinham nenhuma disciplina, tornaram-se avarentos e profanos.

Quando foi confrontado a respeito do mau procedimento de seus filhos, que foram rejeitados pelos anciãos do povo, e mesmo sendo muito respeitado por todos, Samuel sentiu-se também rejeitado (1 Sm 8.5,7). A filosofia de alguns líderes cristãos, de que a ordem das coisas começa com o ministério e depois a família, é equivocada. A prioridade dos obreiros cristãos, antes do ministério, começa com a sua própria casa. O apóstolo Paulo destacou que para que alguém “deseje o episcopado”, deve, entre outros princípios, “governar bem a sua própria casa e ter os filhos em sujeição” (1 Tm 3.4). É preciso ensinar a disciplina para seus filhos, mas para isso é preciso estar presente na vida deles. Não há disciplina familiar sem a presença dos pais.

2- A isenção de responsabilidade de Eli e Samuel para com seus filhos. Sem que esses sacerdotes exercessem autoridade em casa, seus filhos se tornaram vulneráveis, frágeis e propensos às fraquezas da carne. Deus espera que os líderes de igreja na atualidade exerçam sua liderança em casa. Eli e Samuel se isentaram da responsabilidade para com seus filhos. Da mesma forma, no ministério, o obreiro deve ser um pai que cuida, principalmente, da própria família (1 Tm 5.8).

3- Tratamento inadequado. Esta lição, inevitavelmente, não pode fugir do assunto que envolve a relação pública dos líderes da igreja com seus filhos no ambiente eclesiástico. Não se pode esperar que os filhos de líderes sejam punidos ou beneficiados por causa de sua filiação. Há uma pressão natural com a família do pastor por causa da natureza pública de sua função. Entretanto, seus filhos, antes de tudo, são filhos como outros filhos. São crianças, adolescentes, jovens e adultos que precisam de cuidados pastorais e espirituais. Infelizmente, quando não se tem um tratamento sábio com os filhos de obreiros, alguns problemas podem surgir, pois muitos deles se revoltam, rebelam-se, não se submetem à liderança como forma de rejeição a esse tratamento. O modelo bíblico de tratamento adequado passa pelo respeito e admoestação (Ef 6.1-4).

SINOPSE III

Todo pai cristão deve zelar por sua família com dedicação e responsabilidade

CONCLUSÃO

Os pais são exortados a ensinar os filhos, conversando com eles e orientando-os para a vida. O líder que tem consciência de que seu ministério começa na sua casa, será abençoado, e colherá frutos por ter uma família que serve ao Senhor. Os extremos precisam ser evitados e os filhos precisam da repreensão que deve ser feita com amor e cuidado. Deus espera que os pais estejam presentes na formação de seus filhos.

REVISANDO O CONTEÚDO

1- Quem eram os filhos de Samuel? Joel e Abias.
2- Na vida da família, quem são os responsáveis pela formação moral e espiritual dos filhos? Os pais são os responsáveis pela boa formação moral e espiritual dos filhos.
3- Quais são os dois tipos de paternidade extremista? A paternidade autoritária e a permissiva.
4- Além de ensinar a disciplina para os filhos, o que os pais devem fazer? Os pais devem estar presentes na vida dos filhos.
5- Por que Eli e Samuel se isentaram da responsabilidade familiar? Eli e Samuel se isentaram da responsabilidade familiar porque não tinham tempo para os filhos.

Lição 09: Uma Família nada Perfeita

TEXTO ÁUREO

“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” (Gl 6.7)

VERDADE PRÁTICA

Tudo o que os membros da família plantaram colheram. Essa é uma lei universal de Deus que pode ser constatada na própria natureza.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – Lv 18.6; Dt 27.22 A proibição divina a respeito do incesto
Terça – 2 Sm 13.7-11 A inocência de Tamar
Quarta – 2 Sm 13.5,6 A sagacidade de Jonadabe
Quinta – Gl 6.7,8 A lei universal da semeadura
Sexta – 2 Sm 18.5-10; 1 Rs 1.5,6 A rebelião dos filhos de Davi
Sábado – Mt 26.41 É necessária uma vida de vigilância e oração

Hinos Sugeridos: 166, 208, 320 da Harpa Cristã

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

2 Samuel 3.2-5; 5.13-15; 12 .10-13a

2 Samuel 3
2-E a Davi nasceram filhos em Hebrom; foi o seu primogênito Amnom, de Ainoã, a Jezreelita;
3- e seu segundo, Quileabe, de Abigail, mulher de Nabal, o carmelita; e o terceiro, Absalão, filho de Maaca, filha de Talmai, rei de Gesur;
4- e o quarto, Adonias, filho de Hagite; e o quinto, Sefatias, filho de Abital;
5- e o sexto, Itreâo, de Eglá, também mulher de Davi; estes nasceram a Davi em Hebrom.

2 Samuel 5
13 – E tomou Davi mais concubinas e mulheres de Jerusalém, depois que viera de Hebrom; e nasceram a Davi mais filhos e filhas.
14 – E estes são os nomes dos que lhe nasceram em Jerusalém: Samua, e Sobabe, e Natã, e Salomão,
15 – e Ibar, e Elisua, e Nefegue, e Jafia, e Elisama, e Eliada, e Elifelete.

2 Samuel 12
10 – Agora, pois, não se apartará a espada jamais da tua casa, porquanto me desprezastes e tomaste a mulher de Urias, o heteu, para que te seja por mulher.
11 – Assim diz o SENHOR: Eis que suscitarei da tua mesma casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei a teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres perante este sol.
12 – Porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel e perante o Sol.
13 – Então disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor […].

PLANO DE AULA

1- INTRODUÇÃO
Na lição desta semana, estudaremos a respeito das consequências que a negligência dos pais acarreta para a família. O rei Davi e sua casa, infelizmente, acabaram entrando para a história como um exemplo de uma família nada perfeita. A fim de situar seus alunos, diga-lhes que a família de Davi era grande, pois ele teve muitas esposas. O rei teve mais de 20 filhos. Naturalmente, não era fácil administrá-la. Entretanto, a escolha que Davi fez influenciou toda a sua casa, conforme lemos em 2 Samuel 12.11 e 12. O episódio de Amnom e Tamar é uma dessas consequências, assim como a rebelião e a possessão das mulheres de Davi por parte de Absalão também são consequências do ato imoral de do rei. Nesta oportunidade, podemos refletir a respeito do impacto de nossos atos morais em nossa família.
2- APRESENTAÇÃO DA LIÇÃO
A) Objetivos da Lição:
I) Apontar o papel de Davi como ungido e homem de Deus, bem como a extensão de sua família;
II) Descrever pessoas chave que apontam a disfuncionalidade na família de Davi;
III) Refletir a respeito do problema moral na família.
B) Motivação: Ao olhar para todos os males decorrentes das escolhas erradas da família do rei Davi, podemos perceber que os pais não fazem ideia de quão fatais as consequências podem ser se servirem de mau exemplo aos seus filhos. É importante que os seus alunos reconheçam que seus filhos aprendem , principalmente, por meio dos exemplos que veem dentro de casa. Embora Davi fosse inigualável como rei e líder militar, faltava-lhe a habilidade e a sensibilidade necessárias a um marido e pai. O exemplo de Davi, como pai, só poderia ter tido um efeito nocivo sobre os filhos.
C) Sugestão de Método: Para introduzir esta lição, sugerimos o uso de uma técnica conhecida como “ tempestade de idéias”. Reproduza na lousa, ou no data show, a seguinte afirmação: O pecado sexual produz consequências desastrosas numa família. A partir dessa frase, quais as primeiras considerações vêm à mente de seus alunos? Certamente palavras como infidelidade, homossexualidade e imoralidade surgirão neste momento. Aproveite as respostas dos alunos para introduzir o conteúdo da lição.
3- CONCLUSÃO DA LIÇÃO
A) Aplicação: Esta lição nos convida a refletir a respeito de como temos agido diante dos nossos filhos. É importante destacar que a graça não corre no sangue, mas a perversão sim. Por isso é papel dos pais transmitir a fé cristã e a devoção piedosa para os seus filhos, não negligenciando essa parte fundamental na criação deles. Muitos filhos de Davi não o imitaram em sua devoção, mas seguiram pelos seus passos errados, e de forma ainda mais maligna, sem se arrepender. Que sejamos despertados, nesta lição, a viver em constante vigilância e oração por nossos filhos!
4- SUBSÍDIO AO PROFESSOR
A) Revista Ensinador Cristão. Vale a pena conhecer essa revista que traz reportagens, artigos, entrevistas e subsídios de apoio à Lições Bíblicas Adultos. Na edição 93, p.40, você encontrará um subsídio especial para esta lição.
B) Auxílios Especiais: Ao final do tópico, você encontrará auxílios que darão suporte na preparação de sua aula:
1) O texto “ Tamar, Amnom ”, localizado ao final do segundo tópico, apresenta relatos do juízo de Deus cumprido na vida de Davi e como eles impactaram toda a família do rei de Israel.
2) O texto “ Como Arruinar a Vida de seus Filhos”, localizado ao final do terceiro tópico, traz uma aplicação devocional a respeito de como os pais não terão sucesso na criação de seus filhos se incorrerem nos mesmos erros que Davi. ­

INTRODUÇÃO

A despeito de ter sido um grande rei e líder em Israel, Davi não foi o mesmo como pai. Nesta lição, estudaremos as consequências que uma família pode sofrer quando os pais não assumem os papéis que Deus espera deles. A história dramática dos pecados na família de Davi pode nos fazer refletir e tem muito a nos ensinar. Veremos que essa família não era funcional e, por causa das omissões do rei, presenciou episódios de incesto, rebelião e morte.

Palavra-Chave Negligência

I – O REI DAVI E SUA GRANDE FAMÍLIA

1- Davi, o ungido por Deus. O livro de 1 de Samuel mostra a decadência do reinado de Saul e o processo da escolha de Deus a respeito de um homem segundo o seu coração para assumir o lugar do primeiro rei de Israel (1 Sm 16.1). Assim, Deus levou Samuel a casa de Jessé, o belemita, pois ali havia separado o novo rei ungido de Deus: Davi. Nesse momento, a Bíblia diz que “desde aquele dia em diante, o Espírito do Senhor se apoderou de Davi” (1 Sm 16.13).

2- Davi, o homem de Deus. O Espírito do Senhor operou poderosamente na vida de Davi. Não havia dúvida de que Deus o capacitará para desempenhar a importante missão na monarquia de Israel: reunificar a nação. Ao longo dos capítulos de 2 Samuel, constatamos que o rei Davi foi bem-sucedido em seu propósito. Paulatinamente, as tribos foram reconhecendo a sua autoridade real (1 Sm 2.4; 5.1-3). Assim, Davi unificou a monarquia e foi vitorioso em tudo o que o Senhor era com ele para realizar.

3- A grande família de Davi. Entretanto, a despeito de o rei Davi ser ungido por Deus e o homem segundo o seu coração, ele entendeu que podia ter várias esposas e concubinas (1 Sm 18.27; 1 Cr 3.1-5,9; 1 Cr 14.3). Naturalmente, com todos esses casamentos, Davi teve mais de 20 filhos. Ao ter tantos filhos e filhas, acabou caindo na displicência com eles. Ele priorizou apenas os assuntos do reinado de Israel como principal atividade, suas conquistas territoriais com muitas guerras, e esqueceu-se de que tinha famílias espalhadas em vários lugares. Seus filhos tornaram-se problemáticos em suas vidas pessoais.

SINOPSE I

O rei Davi era um homem ungido e de Deus. Entretanto, a sua família fugiu ao ideal divino.

II – FILHOS E PARENTES NA CASA DE DAVI

1- Tamar. Era filha de Maaca. Esta era filha do rei Talmai, de Gesur, e mãe de Absalão, e este, portanto, irmão de Tamar (1 Cr 3.2), uma mulher bonita e virgem. Sua beleza atraiu a Amnom, seu meio-irmão, o filho primogênito de Davi com Ainoã (1 Cr 3.1).

2- Absalão. Era irmão de Tamar, filho de Maaca e terceiro filho do rei Davi. Nos capítulos 13 a 19 de 2 Samuel, sua história está registrada em detalhes. Seu nome tem a ver com paz, mas ironicamente sua história nada tem a ver com ela: Absalão assassinou Amnom, seu meio-irmão, conspirou e rebelou-se contra o seu pai, o rei Davi.

3- Amnom. Quando Davi ainda não havia assumido o trono de Israel, mas já era o escolhido de Deus para reinar, casou-se com Ainoã e gerou Amnom (1 Sm 3.2). Feito homem, entre outros irmãos nascidos, Amnom demonstrou ser desajustado emocionalmente e dominado por paixões carnais. Foi por causa desse comportamento que ele se apaixonou doentiamente por sua meia-irmã, Tamar. Amnom ficou doente de angústia e de desejo incontinente por ela e, por isso, não comia nem bebia, totalmente dominado por essa paixão e, ao mesmo tempo, desconhecida por Tamar (2 Sm 13.2).

4- Jonadabe, um conselheiro do mal. Jonadabe era primo de Amnom e filho de Simeia, irmão de Davi. Segundo 0 que a Bíblia registra, era homem sagaz e de maus pensamentos em seu coração (2 Sm 13.3). O mal sempre atrai o mal e, por isso, esse homem induziu a Amnom a satisfazer sua paixão com um plano de mentira que envolvia Davi e Tamar, a vítima dessa situação (2 Sm 13.5-11). Jonadabe é o tipo de amigo que não se deve ter por perto quando se vive algum problema pessoal ou familiar. Ele é um exemplo concreto de mau conselheiro.

SINOPSE II

Na presente lição, Tamar, Absalão, Amnom e Jonadabe são personagens chave na descrição do fracasso na casa de Davi.

AUXÍLIO BIBLIOLÓGICO

“TAMAR, AMNOM.
A série de narrativas dos capítulos 13— 22 são, principalmente, relatos do juízo de Deus cumprido na vida de Davi,
(1) O capítulo 13 registra o primeiro resultado dos pecados de luxúria, adultério e assassinato de Davi, o qual veio para assombrá-lo através das ações de membros da sua própria família (cf. Gl 6.7). O incesto e o assassinato entre os filhos de Davi foram consequências da sua luxúria reproduzida primeiramente por seu filho Amnom.
(2) Como Davi destruiu a felicidade da casa de Urias, Deus destruiu a harmonia na casa de Davi. Muitas vezes, Deus permite que os pecadores sofram tristezas e aflições para que eles e também outras pessoas que veem os seus exemplos possam temer a Deus (isto é, ter reverência pela pureza de Deus, pelo seu poder e juízo), afastar-se de seus pecados e converter-se a Deus (cf. Nm 14.20- 36)” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Edição Global. Rio de Janeiro: CPAD, 2022, p. 531.)

III – O PROBLEMA MORAL NA FAMÍLIA DE DAVI

1- As consequências de sua falta de domínio próprio. O capítulo 11 de 2 Samuel relata o adultério do rei Davi. O capítulo 12 registra o confronto do profeta Natã ao pecado do rei. Mesmo tendo reconhecido seu pecado de adultério, dissimulação e assassinato, o rei Davi não pôde evitar as consequências do seu pecado (2 Sm 11.1-13). Incisivo e fiel à mensagem divina, o profeta Natã disse ao rei: “Eis que suscitarei da tua mesma casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei a teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres perante este sol” (2 Sm 12.11). Assim, não demorou muito para que um dos filhos coabitasse com as concubinas do próprio pai e o envergonhasse publicamente em Israel (2 Sm 16.21,22).

2- Incesto e morte na família. Outro caso alarmante foi o pecado de incesto do filho mais velho de Davi contra a própria irmã Tamar (2 Sm 13.1). A consequência inevitável disso na família do rei foi o ódio alimentado por Absalão até matar seu meio-irmão Amnom, como vingança pelo abuso que sua irmã Tamar sofreu. O relato de Amnom e Tamar está repleto de sagacidade, de sutileza e de mentira a fim de atrair a inocente Tamar para um laço indigno. Tudo muito doentio e pecaminoso (2 Sm 13.11,12,14,15).

Depois de ter se deitado com sua meia-irmã, humilhando-a, Amnom a desprezou completamente. E o rei Davi? Soube do fato, irou-se , mas não fez nada contra Amnom. Em suma, uma das consequências trágicas desse comportamento do rei foi a tragédia anunciada da família: Absalão matou Amnom (2 Sm 13.27-29). E, mais tarde, ele cavou sua morte precoce (2 Sm 18.14), após desencadear uma rebelião contra o próprio pai a fim de tomar-lhe o trono. O rei chorou amargamente a morte de seu filho, Absalão (2 Sm 18.33).

3- Vigilância, proximidade e exemplo. Essa história, do problema moral na família de Davi, ensina a todos os pais a respeito da importância da vigilância, da proximidade e do exemplo na família . É muito importante para nós desenvolvermos uma relação sóbria e equilibrada com os nossos cônjuges, filhos, parentes e pessoas próximas da nossa família. Infelizmente, não estamos livres de deparar-nos com problemas morais difíceis na família. Por isso, é preciso que os pais façam a sua parte, acompanhando de perto o que acontece nos lares. Sobretudo, fazendo isso por meio do exemplo de quem busca viver para a glória de Deus dentro de casa (1 Co 10.31).

SINOPSE III

A decadência moral não teria lugar na casa de Davi se ele priorizasse uma relação sóbria e saudável na família, incluindo a vigilância, a proximidade e o exemplo.

AUXÍLIO DEVOCIONAL

COMO ARRUINAR A VIDA DE SEUS FILHOS
“ Pode ser surpreendente, mas frequentemente as pessoas mais bem-sucedidas, segundo os padrões do mundo, têm sido pais terríveis. E alguns dos ‘menos bem sucedidos’ criaram filhos dos quais qualquer pessoa poderia se orgulhar. Davi, apesar de seus méritos como o maior rei de Israel, foi um pai terrível. Alguns de seus erros são destacados nestes capítulos, e permanecem como exemplos que você e eu devemos seguir — se desejarmos arruinar as vidas de nossos filhos! Quais são as recomendações de Davi para o fracasso como pai? Fique zangado, mas não castigue.

Quando Davi soube o que Amnom fez à sua meia-irmã, Tamar, o texto diz que Davi ‘muito se acendeu em ira’ (13.21). Mas não há indicação de que ele tivesse falado com Amnom, e muito menos, que o tivesse castigado. Os pais que deixam de corrigir seus filhos podem esperar problemas maiores no futuro. Ame demais os seus filhos. Depois que Absalão fugiu, Davi ‘pranteava a seu filho todos os dias’ (ARA). Davi parece ter sentido tanta falta de seu filho, que se esqueceu do que seu filho tinha feito.

Meninos e meninas que são amados demais, de um modo em que ‘vale tudo’, causarão, sem dúvida, graves problemas. Perdoe, mas não completamente. Davi finalmente permitiu que Absalão retornasse a Jerusalém, mas não o viu, durante dois anos. Se o perdão for concedido, deverá ser completo. O perdão incompleto, repleto de pequenos lembretes dos pecados passados, cria amargura e antagonismo. Quando Deus perdoa, Ele esquece. Se nós perdoarmos um erro, nós devemos fazê-lo completamente.

Davi, um sucesso em sua carreira, era um fracasso, como pai. Ele se aborrecia com o que seus filhos faziam , mas não os castigava. Ele amou tanto seus filhos que perdeu a perspectiva. E perdoava de modo incompleto. Na sua vida familiar, o maior rei de Israel foi um dos maiores fracassos da história” (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Devocional da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, pp. 191- 92).

CONCLUSÃO

Vimos que a família do rei Davi era disfuncional, que trouxe problemas de longo prazo para toda a família. Por isso, é preciso cultivar os valores da Palavra em nossos lares, que os pais exerçam seus papéis em casa, transmitindo esses valores e acompanhando de perto os seus filhos; que os cônjuges tenham um relacionamento que traga equilíbrio e segurança aos filhos. A vida cristã em família é a maior prevenção contra os desajustes da atualidade.

REVISANDO O CONTEÚDO

1- O que o livro de 1 Samuel mostra a respeito da monarquia de Israel? O livro de 1 Samuel mostra a decadência do reinado de Saul e o processo da escolha de Deus a respeito de um homem segundo o seu coração para assumir o lugar do primeiro rei de Israel: Davi.
2- Quem era Tamar? Era filha de Davi com Maaca e irmã de Absalão.
3- Como podemos identificar Amnom? Era irmão de Tamar, filho de Maaca e terceiro filho do rei Davi.
4- Quem confronta o pecado de Davi? O profeta Natã.
5- O que o rei Davi fez ao saber do fato entre Amnom e Tamar? Ao saber do fato, Davi irou-se, mas não fez absolutamente nada contra Amnom.

👉Gostou do nosso site? Ajude-nos a mantê-lo e melhorá-lo ainda mais!

👉Abençoe-nos com uma oferta via PIX: CPF 02385701421

👉Seja um parceiro desta obra e ajude a espalhar o conhecimento e a palavra de Deus. 

“Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.” Lucas 6:38

SOBRE O AUTOR:
Josias Moura de Menezes

É formado em Teologia, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. É especialista em Marketing Digital, Produção Audiovisual para Web, Tecnologias de Aprendizagem a Distância, Inteligência Artificial, Jornalismo Digital e possui Mestrado em Teologia. Atua ministrando cursos de capacitação profissional e treinamentos online em diversas áreas. Para mais informações sobre o autor <clique aqui>.

Compartilhe esta mensagem

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
Email

FAÇA NOSSOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA GRATUITOS

Livre

Capacitação em Gestão do Tempo, Planejamento Pessoal e Produtividade – Gratuito

ADQUIRA NOSSAS BIBLIOTECAS DIGITAIS

Show Comments (0)

Deixe uma resposta