Assine nosso site

Receba nossas publicações em seu email.

Junte-se a 8.544 outros assinantes

Sermão para Santa ceia: A grande Recompensa

QUER RECEBER ARTIGOS INFORMATIVOS, ESTUDOS BÍBLICOS, REFLEXÕES, SERMÕES E CURSOS GRATUITOS TODA SEMANA EM SEU WHATSAP?

Entre no grupo do Professor Josias Moura agora e receba todos estes recursos gratuitamente.

A Grande Recompensa

Texto base: Hebreus 10:35‭-‬36: Por isso, não abram mão da confiança que vocês têm; ela será ricamente recompensada. Vocês precisam perseverar, de modo que, quando tiverem feito a vontade de Deus, recebam o que ele prometeu.

Introdução

Hebreus 10:35-36 são versículos que fazem parte de uma exortação aos cristãos que estavam sofrendo perseguição e tentação por causa da sua fé. 

O autor da carta aos Hebreus queria encorajá-los a não abandonar a sua confiança em Deus, mas a perseverar na sua vontade, esperando pela sua promessa. Ele usa o exemplo dos heróis da fé do Antigo Testamento e de Jesus Cristo, que suportaram as adversidades pela alegria que lhes estava reservada. Ele também lhes lembra que a volta de Jesus está próxima, e que eles devem se preparar para recebê-lo.

Uma possível explicação para os versículos é:

  • Hebreus 10:35: Portanto, não abram mão da confiança que vocês têm; ela será ricamente recompensada. O autor apela aos leitores para que não rejeitem ou desprezem a confiança que eles têm em Deus, que é a base da sua fé e da sua salvação. Essa confiança é a certeza de que Deus é fiel e cumprirá a sua palavra, e de que ele tem uma grande recompensa para os que o amam e obedecem. Essa recompensa é a herança eterna no céu, onde teremos comunhão com Deus, paz, alegria, glória e honra.
  • Hebreus 10:36: Vocês precisam ter paciência para poder fazer a vontade de Deus e receber o que ele prometeu. O autor reconhece que os leitores estão passando por provações e dificuldades, e que eles precisam de paciência para suportá-las. A paciência é a capacidade de manter-se firme e constante no caminho de Deus, sem se desviar nem desanimar. A paciência é a prova da nossa fé genuína e da nossa obediência a Deus. A paciência também é necessária para fazer a vontade de Deus, que é o plano perfeito que ele tem para cada um de nós, que envolve amá-lo, adorá-lo, serví-lo e testemunhá-lo. Fazendo a vontade de Deus, nós nos qualificamos para receber o que ele prometeu, que é a sua vinda gloriosa e a nossa salvação completa.

Todos nós queremos receber uma recompensa por nossos esforços, seja no trabalho, na escola, na família ou na igreja. Mas qual é a maior recompensa que podemos esperar como cristãos? O que Deus nos prometeu se formos fiéis a ele? Como podemos alcançar essa recompensa? Vamos ver o que o autor da carta aos Hebreus nos ensina sobre isso.

O autor da carta aos Hebreus estava escrevendo para um grupo de cristãos que estavam enfrentando perseguições, tentações e desânimo por causa de sua fé. Ele queria encorajá-los a não desistir, mas a continuar confiando em Deus e em sua promessa.

O autor da carta aos Hebreus usa o exemplo dos heróis da fé do Antigo Testamento para inspirar seus leitores a confiar em Deus e perseverar na sua vontade. Esses heróis foram homens e mulheres que demonstraram uma fé extraordinária em Deus e em suas promessas, mesmo enfrentando situações adversas e desafiadoras. Eles não se deixaram abalar pelas circunstâncias, mas viveram pela fé e não pelo que viam. Eles esperaram pacientemente pela recompensa de Deus, mesmo sem receberem tudo o que ele havia prometido (Hebreus 11).

Entre esses heróis da fé, podemos citar alguns nomes como:

  • Abel, que ofereceu um sacrifício mais excelente do que seu irmão Caim, e foi aprovado por Deus como justo (Hebreus 11:4).
  • Enoque, que andou com Deus e foi transladado para o céu, sem passar pela morte (Hebreus 11:5).
  • Noé, que construiu uma arca por obediência a Deus, e salvou sua família do dilúvio (Hebreus 11:7).
  • Abraão, que saiu de sua terra natal por fé, e se tornou o pai de uma grande nação (Hebreus 11:8-12).
  • Sara, que concebeu um filho na velhice, por acreditar no poder de Deus (Hebreus 11:11).
  • Isaque, Jacó e José, que abençoaram seus descendentes com base nas promessas de Deus (Hebreus 11:20-22).
  • Moisés, que renunciou aos privilégios do Egito, e conduziu o povo de Israel para a libertação (Hebreus 11:23-29).
  • Raabe, que acolheu os espias israelitas, e foi poupada da destruição de Jericó (Hebreus 11:31).
  • Gideão, Baraque, Sansão, Jefté, Davi e Samuel, que venceram inimigos, realizaram feitos extraordinários e governaram com justiça (Hebreus 11:32-34).
  • Os profetas, que anunciaram a palavra de Deus, sofreram perseguições e martírios, e aguardaram a ressurreição (Hebreus 11:35-38).

Esses são apenas alguns dos heróis da fé mencionados no livro de Hebreus. Eles nos ensinam a confiar em Deus e a perseverar na sua vontade. Eles nos mostram que a fé é a certeza das coisas que esperamos e a prova das coisas que não vemos (Hebreus 11:1). Eles nos encorajam a seguir o exemplo de Jesus, o autor e consumador da nossa fé (Hebreus 12:1-2).

Ele também usa o exemplo de Jesus, que suportou a cruz e o desprezo por causa da alegria que lhe estava reservada, e que agora está assentado à direita de Deus (Hebreus 12:1-2).

Ele então aplica esses exemplos aos seus leitores, e nos dá quatro passos para alcançarmos a grande recompensa de Deus:

Confie em Deus: “Por isso, não abram mão da confiança que vocês têm”

A confiança é a certeza de que Deus é fiel e cumprirá sua palavra. É a atitude de quem crê em Deus e não duvida do seu poder e amor. É a base da nossa fé e da nossa salvação. 

Sem confiança, não podemos agradar a Deus nem receber sua recompensa. Acerca disso Hebreus 11:6 nos lembra: “Sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a ele precisa crer que ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor”.

A Bíblia nos ensina a confiar em Deus e não nas nossas próprias ideias ou entendimento. Devemos reconhecer que Deus sabe o que é melhor para nós e que ele tem um plano perfeito para cada um de nós. 

Devemos entregar a ele todas as nossas preocupações, ansiedades e necessidades, sabendo que ele cuida de nós e nos ouve. 1 Pedro 5:7 nos recomenda: Entreguem todas as suas preocupações a Deus, pois ele cuida de vocês”. Tenha a certeza de que você será ouvido por Deus: João 5:14 (NVT) diz: “Estamos certos de que ele nos ouve sempre que lhe pedimos algo conforme sua vontade.”

A confiança em Deus nos dá paz, segurança, esperança e coragem. Quando confiamos em Deus, podemos enfrentar as dificuldades e os desafios da vida com tranquilidade, pois sabemos que ele está conosco e nos ajuda em todas as situações.  Podemos descansar na sua proteção, na sua provisão e na sua promessa. Veja o que diz Filipenses 4:19: “E esse mesmo Deus que cuida de mim lhes suprirá todas as necessidades por meio das riquezas gloriosas que nos foram dadas em Cristo Jesus.”

A confiança em Deus também nos leva a obedecer aos seus mandamentos e a seguir o seu caminho. Quando confiamos em Deus, queremos fazer a sua vontade e agradá-lo em tudo o que fazemos. Queremos imitar o seu caráter e refletir o seu amor. Queremos ser fiéis a ele até o fim, pois sabemos que ele é digno de toda honra, glória e louvor (João 14:15; Efésios 5:1-2; Apocalipse 4:11)

Lembre-se da recompensa: “….ela será ricamente recompensada”.

Temos necessidade de ser recompensados porque isso faz parte da nossa natureza humana, que busca a satisfação das nossas necessidades e a realização do nosso potencial. Segundo a teoria de Maslow, um psicólogo que estudou a motivação humana, existem diferentes níveis de necessidades que influenciam o nosso comportamento e o nosso bem-estar. Essas necessidades são organizadas vão desde as mais básicas, como as fisiológicas e de segurança, até as mais elevadas, como as de estima e de autorrealização. Cada nível de necessidade precisa ser atendido.

Quando analisamos os tipos de necessidades que temos, concluimos que podemos permanecer firmes em Deus, porque ele supre nossas necessidades:

  • O homem tem necessidades básicas ou fisiológicas que são as de sobrevivência, como respirar, comer, beber, dormir, vestir-se. Essas necessidades estão na base da pirâmide de Maslow e são as mais fáceis de serem saciadas. Se essas necessidades não forem atendidas, a pessoa pode morrer ou ficar doente. Por isso, Deus nos provê dessas necessidades através da sua criação e da sua graça. Ele nos dá o pão nosso de cada dia. 
  • As necessidades de segurança são as de nos sentirmos seguros e protegidos na vida. Essas necessidades estão no segundo nível da pirâmide de Maslow e são um pouco mais complexas do que as fisiológicas. Elas envolvem a segurança física, emocional, financeira, social e espiritual. Se essas necessidades não forem atendidas, a pessoa pode sentir medo, ansiedade, insegurança e desconfiança. Por isso, Deus nos dá a sua presença, o seu cuidado, o seu amor e a sua promessa.
  • As necessidades sociais são as de pertencer a um grupo social e se sentir aceito por ele. Essas necessidades estão no terceiro nível da pirâmide de Maslow e são mais relacionadas ao aspecto relacional do ser humano. Elas envolvem a amizade, a família, o carinho, o afeto e o amor. Se essas necessidades não forem atendidas, a pessoa pode sentir solidão, isolamento, rejeição e depressão. Por isso, Deus nos dá a sua família espiritual, a igreja, onde podemos ter comunhão com os irmãos em Cristo.
  • As necessidades de estima ou reconhecimento são as de reconhecer as próprias capacidades e ser reconhecido por outras pessoas. Essas necessidades estão no quarto nível da pirâmide de Maslow e são mais relacionadas ao aspecto pessoal do ser humano. Elas envolvem a autoestima, a autoconfiança, o respeito próprio e o respeito dos outros. Se essas necessidades não forem atendidas, a pessoa pode sentir inferioridade, baixa autoestima, frustração e vergonha. Por isso, Deus nos dá a sua imagem e semelhança, os seus dons e talentos, e o seu reconhecimento como filhos amados.
  • As necessidades de autorrealização são as de alcançar todo o nosso potencial e ser feliz na vida. Essas necessidades estão no topo da pirâmide de Maslow e são as mais difíceis de serem saciadas. Elas envolvem a criatividade, a liberdade, a sabedoria, a transcendência e a plenitude. Se essas necessidades não forem atendidas, a pessoa pode sentir vazio existencial, insatisfação, tédio e desesperança. Por isso, Deus nos dá o seu propósito eterno para as nossas vidas, o seu plano perfeito para cada um de nós, e a sua recompensa gloriosa no céu.

Lembrem-se da grande recompensa que ela lhes traz (Hebreus 10:35b). A recompensa de Deus é a herança eterna no céu, onde teremos comunhão com ele, paz, alegria, glória e honra. Essa recompensa se enquadra no nível mais alto da pirâmide de Maslow, que é a necessidade de autorrealização. Essa necessidade é a de alcançar todo o nosso potencial e ser feliz na vida. Para satisfazer essa necessidade, precisamos ter todas as outras necessidades atendidas, desde as mais básicas até as mais elevadas. 

É a esperança que temos em Cristo que  nos motiva a seguir em frente, mesmo diante das dificuldades e dos sofrimentos (Hebreus 13:14).

Perservere: “Vocês precisam perseverar…”

A perseverança é a capacidade de manter-se firme e constante no caminho de Deus, sem se desviar nem desanimar. É a prova da nossa fé genuína e da nossa obediência a Deus. É o fruto do Espírito Santo em nós, que nos dá força e coragem para vencer as provações e as tentações (Hebreus 12:3-11).

Segundo a psicologia, algumas possíveis razões pelas quais as pessoas não são perseverantes são:

  • Elas têm transtornos de personalidade que afetam a sua capacidade de se relacionar com os outros, de se adaptar às normas sociais, de ter empatia, de controlar seus impulsos e de lidar com as frustrações.
  • Elas sofrem de ruminação, que é o hábito de pensar demais nos problemas, nas causas e nas consequências, sem buscar soluções ou alternativas. Isso pode levar a sentimentos de ansiedade, depressão, culpa e baixa autoestima, que prejudicam a motivação e a persistência2.
  • Elas não têm clareza sobre seus objetivos, não acreditam em si mesmas, não reconhecem seus pontos fortes, não aprendem com seus erros, não contam com o apoio de outras pessoas, não planejam seus passos, não se adaptam às mudanças, não alinham seus objetivos com seus valores, não mantêm o otimismo e não celebram suas conquistas3.

Para ser perserverante é necessário:

  • Ter clareza em relação aos objetivos, acreditar em Deus, reconhecer os próprios pontos fortes e a desenvolver, usar falhas como aprendizado, contar com o apoio de pessoas que acreditam em você, ter um planejamento para alcançar seus objetivos, adaptar às mudanças, ter objetivos que condizem com os seus valores, manter o otimismo e comemorar cada pequena vitória.
  • Ter força e paciência para não desistir diante das dificuldades, desafios e tempos de espera. A pessoa que persevera se mantém firme no seu propósito, tem paciência para esperar o tempo que for preciso para alcançar o objetivo e tem esperança que vai chegar lá, mesmo diante de obstáculos.
  • Ter fé genuína e obediência a Deus que é uma prova da nossa fé e confiança nEle. É o fruto do Espírito Santo em nós, que nos dá força e coragem para vencer as provações e as tentações.

Muitas pessoas podem não ter essas características ou habilidades, ou podem se deixar abater pelas circunstâncias adversas, ou podem perder o foco ou a motivação para continuar seguindo o caminho de Deus. Por isso, elas precisam buscar a ajuda de Deus e dos irmãos na fé, e cultivar uma atitude de confiança e gratidão em todas as situações.

Faça a vontade de Deus: “de modo que, quando tiverem feito a vontade de Deus, recebam o que ele prometeu”.

A vontade de Deus é o plano perfeito que ele tem para cada um de nós, que envolve amá-lo, adorá-lo, serví-lo e testemunhá-lo. É o propósito pelo qual fomos criados e salvos. É o alvo que devemos buscar em tudo o que fazemos, pensamos e falamos. É o critério pelo qual seremos julgados e recompensados (Hebreus 13:20-21).

Entendemos que muitas pessoas têm dificuldade de fazer a vontade de Deus porque:

  • Elas não conhecem ou não compreendem a vontade de Deus, que é o Seu plano perfeito para cada um de nós, que envolve amá-lo, adorá-lo, servi-lo e testemunhá-lo. A vontade de Deus se manifesta de duas formas: a vontade secreta, que é o Seu decreto soberano sobre todas as coisas, e a vontade revelada, que é o Seu mandamento moral expresso na Sua Palavra.
  • Elas não têm um relacionamento íntimo e amoroso com Deus, que é a base para compreender e aceitar a Sua vontade. A vontade de Deus nunca estará em contradição com os nossos desejos e aspirações mais profundos, porque Ele é o autor deles. Mas para descobrir esses desejos e aspirações, precisamos nos deixar guiar pelo Espírito Santo e ouvir a Sua voz.
  • Elas sofrem de medo, insegurança, ansiedade, lutas internas e espirituais, que podem impedir ou dificultar a realização da vontade de Deus. Esses fatores podem gerar dúvidas, confusão, angústia ou paralisia na hora de tomar decisões importantes ou enfrentar desafios. O principal sinal de que estamos fazendo a vontade de Deus é a paz, que não depende das circunstâncias externas, mas da confiança em Deus.
  • Elas não têm disposição para renunciar à própria vontade e se conformar à vontade divina, especialmente nas situações de dificuldade, sofrimento ou provação. Fazer a vontade de Deus exige fé, humildade, obediência e sacrifício. Muitas vezes, precisamos aceitar situações que não compreendemos ou que não gostaríamos de viver, mas que fazem parte do propósito de Deus para nós.

Mas como vencer essa dificuldade de fazer a vontade de Deus. Busque ajuda de irmãos e pessoas da Igreja, do seu lider, e as vezes até ajuda psicólogica. Além disso, desenvolva hábitos e atitudes que favoreçam a realização da vontade de Deus, como:

  • Estudar a Bíblia e meditar na Palavra de Deus;
  • Orar constantemente e pedir a orientação do Espírito Santo;
  • Buscar o acompanhamento espiritual de um líder cristão ou mentor;
  • Participar da comunhão com outros irmãos na fé;
  • Praticar as virtudes cristãs como amor, paciência, bondade, mansidão e domínio próprio;
  • Seguir o exemplo de Jesus Cristo, que disse: “Não seja feita a minha vontade, mas a tua” (Lucas 22:42).

Conclusão: 

Compartilhamos  com vocês uma palavra de ânimo e consolo, diante dos tempos difíceis que estamos vivendo. Sabemos que neste mundo somos afligidos por muitas tribulações, tentações, perseguições e sofrimentos, que às vezes abalam a nossa fé e a nossa alegria. Mas não devemos nos deixar abater, nem perder a esperança, pois temos uma certeza que nos sustenta e nos fortalece: Cristo vive em nós, e nós vivemos nele.

Lembre-se de caminhar confiando em Deus, Lembrando da recompensa, Perseverando e fazendo a vontade do Senhor. 

Nunca esqueça que Cristo é a nossa vida, a nossa salvação, o nosso tesouro, o nosso tudo. Ele nos amou de tal maneira que se entregou por nós na cruz, para nos libertar do pecado e da morte, e nos dar uma nova vida. Ele ressuscitou ao terceiro dia, e subiu aos céus, onde está assentado à direita de Deus Pai, intercedendo por nós. Ele nos enviou o seu Espírito Santo, que habita em nós, e nos capacita a viver como filhos de Deus. Ele nos prometeu que voltará para nos buscar, e nos levará para estar com ele na glória eterna.

Essa é a nossa esperança: a bendita esperança da vinda do nosso Senhor Jesus Cristo (Tito 2:13). Essa é a grande recompensa que aguardamos com fé e paciência: ver o nosso Salvador face a face, e participar da sua herança incorruptível, incontaminável e imarcescível (1 Pedro 1:4). Essa é a razão pela qual vivemos: para agradar ao nosso Mestre, e receber dele o galardão da sua graça (2 Timóteo 4:8).

Portanto, meus amados, fiquem firmes em Cristo. Não se desviem do caminho da verdade e da justiça. Não se conformem com este mundo, mas sejam transformados pela renovação da mente. Não amem as coisas que são passageiras, mas as que são eternas. Não sejam negligentes na oração, na leitura da Palavra, na comunhão com os santos. Não sejam egoístas, mas sejam generosos e solidários. Não sejam covardes, mas sejam corajosos e fiéis. Não sejam desanimados, mas sejam cheios de gratidão e louvor.

Lembrem-se das palavras do apóstolo Paulo: “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor” (1 Coríntios 15:58). E também das palavras do apóstolo João: “Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, já muitos anticristos se têm levantado; por onde conhecemos que é a última hora. […] E agora, filhinhos, permanecei nele; para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança, e não sejamos confundidos por ele na sua vinda” (1 João 2:18-28).

Que Deus nos abençoe e nos guarde até aquele grande dia. Amém.

👉Gostou do nosso site? Ajude-nos a mantê-lo e melhorá-lo ainda mais!

👉Abençoe-nos com uma oferta via PIX: CPF 02385701421

👉Seja um parceiro desta obra e ajude a espalhar o conhecimento e a palavra de Deus. 

“Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.” Lucas 6:38

SOBRE O AUTOR:
Josias Moura de Menezes

É formado em Teologia, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. É especialista em Marketing Digital, Produção Audiovisual para Web, Tecnologias de Aprendizagem a Distância, Inteligência Artificial, Jornalismo Digital e possui Mestrado em Teologia. Atua ministrando cursos de capacitação profissional e treinamentos online em diversas áreas. Para mais informações sobre o autor <clique aqui>.

Compartilhe esta mensagem

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
Email

FAÇA NOSSOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA GRATUITOS

Livre

Capacitação em Gestão do Tempo, Planejamento Pessoal e Produtividade – Gratuito

ADQUIRA NOSSAS BIBLIOTECAS DIGITAIS

Show Comments (0)

Deixe uma resposta