Assine nosso site

Receba nossas publicações em seu email.

Junte-se a 8.543 outros assinantes

Sermão para santa ceia. Tema: Relações Restauradas – Lições de Reconciliação em Filemom

QUER RECEBER ARTIGOS INFORMATIVOS, ESTUDOS BÍBLICOS, REFLEXÕES, SERMÕES E CURSOS GRATUITOS TODA SEMANA EM SEU WHATSAP?

Entre no grupo do Professor Josias Moura agora e receba todos estes recursos gratuitamente.

Relações Restauradas: Lições de Reconciliação em Filemom

“Assim, se me consideras teu companheiro, recebe-o como a mim mesmo. E se em alguma coisa te prejudicou, ou te deve, põe isso na minha conta. Eu, Paulo, de meu próprio punho o escrevi; eu o pagarei…” (Filemom 1:17-19a)

Introdução

Amados irmãos e irmãs, é com grande alegria que estamos reunidos aqui hoje para meditarmos nas preciosas lições contidas na epístola de Paulo a Filemom. 

Essa breve, porém profunda carta, aborda um conflito específico entre um homem chamado Filemom e seu escravo fugitivo, Onésimo. No entanto, suas implicações vão muito além desse contexto particular.

Nela somos convidados a testemunhar o poder transformador do evangelho, que é capaz de operar milagres em vidas quebrantadas e restaurar relacionamentos dilacerados. Através de suas palavras, o apóstolo Paulo promove a reconciliação entre Filemom e Onésimo, enfatizando que ambos são, acima de tudo, irmãos em Cristo.

Esta epístola contém preciosas lições sobre o perdão incondicional, o amor fraternal e a necessidade de superarmos barreiras sociais para tratarmos uns aos outros com dignidade e respeito. Sua mensagem nos desafia a buscar resolução para conflitos e divisões, sendo instrumentos de paz e restauração.

A geração atual enfrenta diversos desafios que podem contribuir para a dificuldade em resolver e superar conflitos, em praticar o perdão, e vivenciar o poder da reconciliação. Alguns dos principais fatores que podem estar envolvidos são:

  • 1. Aumento da dependência da tecnologia: A tecnologia trouxe muitos benefícios, mas também pode dificultar a resolução de conflitos. A comunicação virtual pode ser impessoal e levar a mal-entendidos, além de permitir que as pessoas evitem enfrentar conflitos cara a cara. A dependência excessiva de dispositivos eletrônicos e redes sociais pode levar a uma falta de habilidades de comunicação interpessoal e de resolução de problemas.
  • 2. Cultura de imediatismo: Vivemos em uma sociedade que valoriza a gratificação instantânea e a resolução rápida de problemas. Isso pode levar as pessoas a evitar conflitos mais complexos, pois exigem tempo, paciência e esforço para serem resolvidos. A busca pela solução rápida pode levar a abordagens superficiais e a evitar enfrentar os problemas subjacentes.
  • 3. Falta de habilidades de comunicação e empatia: Muitas vezes, as pessoas não foram ensinadas a desenvolver habilidades de comunicação eficazes e empatia. A falta de compreensão e escuta ativa pode levar a mal-entendidos e agravar os conflitos. A incapacidade de se colocar no lugar do outro e ver as coisas de diferentes perspectivas dificulta a resolução de conflitos de maneira construtiva.
  • 4. Medo do confronto e da rejeição: Muitas pessoas têm medo do confronto e da possibilidade de serem rejeitadas ou julgadas. Isso pode levar a uma evitação dos conflitos ou a uma tendência de evitar abordar questões difíceis. O medo do desconforto emocional pode impedir o progresso na resolução de conflitos.
  • 5. Pressão social e padrões de perfeição: A geração atual muitas vezes enfrenta uma pressão social intensa para ser perfeita e evitar qualquer tipo de conflito. Isso pode levar as pessoas a evitar confrontos e a esconder suas verdadeiras emoções e opiniões para se encaixarem em padrões preestabelecidos. O medo de ser julgado ou rejeitado pode dificultar a resolução de conflitos de maneira saudável.
  • 6. Falta de modelos e exemplos positivos: Nem todos tiveram exemplos positivos de resolução de conflitos em suas vidas. A falta de modelos saudáveis de como lidar com conflitos pode dificultar o desenvolvimento de habilidades adequadas para resolver conflitos de maneira construtiva.

Superar esses desafios requer um esforço consciente para desenvolver habilidades de comunicação, empatia e resolução de problemas. É importante buscar educação e orientação adequadas para aprender a lidar com conflitos de maneira saudável e construtiva. Através do desenvolvimento dessas habilidades, a geração atual pode superar as dificuldades e aprender a resolver conflitos de maneira positiva e eficaz.

Mas vejamos aqui alguns pontos importantes dessa carta de Paulo a Filemon

I – O Apelo à Reconciliação (Filemom 1:8-14)

Nestes versos, Paulo começa sua carta expressando seu amor por Filemom e fazendo um apelo, não uma ordem, para que Filemom receba Onésimo de volta. Ele poderia ter usado sua autoridade apostólica para exigir isso, mas opta por apelar ao coração de Filemom. 

Paulo então menciona a transformação que ocorreu na vida de Onésimo enquanto esteve com ele. Onésimo, que antes era considerado inútil e um escravo fugitivo, agora se tornou útil tanto para Filemom quanto para Paulo. Essa mudança se deu pelo poder transformador do evangelho na vida de Onésimo. Ao destacar essa transformação, Paulo busca tocar o coração de Filemom, mostrando que Onésimo não é mais o mesmo. Ele agora é um irmão em Cristo, não apenas um escravo. Paulo convida Filemom a receber Onésimo como receberia o próprio Paulo.

Paulo está enfatizando que a verdadeira reconciliação não pode ser forçada ou imposta. Ela requer que o coração da pessoa esteja disposta a perdoar e se reconciliar. Paulo faz um apelo às mais altas aspirações de Filemom, confiando que ele abraçará Onésimo com amor. Essa passagem nos ensina que, quando buscamos a reconciliação, não devemos tentar forçá-la, mas apelar ao que há de melhor na outra pessoa. Devemos confiar no poder transformador do evangelho, que pode mudar vidas e perspectivas. A reconciliação só ocorre quando os corações estão abertos e dispostos a perdoar.

Este ponto que examinamos tem uma relação profunda com a história do flho pródigo. 

  • O filho pródigo havia abandonado o pai e vivido de forma irresponsável. Quando volta arrependido, o pai o recebe de braços abertos, perdoando-o completamente. Isso se assemelha à reconciliação entre Filemom e Onésimo. 
  • O pai do filho pródigo acolhe seu filho de volta sem condená-lo. Da mesma forma, Paulo convida Filemom a receber Onésimo como irmão, apesar dele ter sido um escravo fugitivo. 
  • O pai ama o filho apesar de tudo, e do mesmo modo Paulo apela ao amor fraternal de Filemom por Onésimo. O amor cobre uma multidão de pecados (1 Pedro 4:8).
  • O filho pródigo “cai em si” e volta arrependido. Onésimo também se arrepende sob a influência de Paulo e experimenta uma mudança de vida. Isso torna mais fácil o processo de reconciliação.
  • Não há imposição ou cobrança em nenhum dos casos, mas um apelo ao coração da pessoa. Paulo apela a Filemom, em vez de dar uma ordem. O pai também não impõe nada ao filho, apenas o recebe de braços abertos.

Tanto a parábola do filho pródigo como a carta de Paulo a Filemon nos ensinam que o caminho para a reconciliação está no amor incondicional, na disposição de perdoar de coração e no desejo de restaurar aqueles que um dia se desviaram. Essa profunda lição continua sendo extremamente relevante para nós hoje.

II – A Importância do Amor Fraternal (Filemom 1:15-16)

Paulo continua seu apelo enfatizando a importância do amor fraternal entre Filemom e Onésimo. 

Ele sugere que talvez a separação entre ambos tenha ocorrido para que agora Filemom recebesse Onésimo de volta permanentemente, não mais como escravo, mas como irmão amado em Cristo.

Paulo enfatiza a mudança em como Onésimo deve ser visto. Embora no passado ele tenha sido considerado por Filemom como inútil, agora ele se tornou útil tanto para Paulo quanto para o próprio Filemom. Além disso, Onésimo se tornou um irmão amado no Senhor.

Ao ressaltar essa nova relação como irmãos em Cristo, Paulo busca tocar o coração de Filemom, desafiando-o a demonstrar amor fraternal e aceitação plena a Onésimo.

Paulo incentiva Filemom a reconhecer o potencial do relacionamento renovado entre ambos. Onésimo agora pode contribuir grandemente não só para o ministério de Paulo, mas para a própria vida e caminhada de Filemom.

Essa passagem nos ensina que o amor fraternal entre cristãos deve superar barreiras sociais, pré-conceitos e conflitos passados. Devemos estar dispostos a nos relacionar como irmãos, independente de classes sociais, etnias ou background. O que nos une em Cristo é mais importante do que qualquer diferença.

Vejamos pelo menos 03 aplicações sobre importancia do amor fraternal:

  • Leva a Superar barreiras sociais e pré-conceitos que possam existir entre nós e outras pessoas. Devemos estar dispostos a enxergar além das diferenças sociais, econômicas, étnicas ou culturais, e tratar a todos como irmãos em Cristo. Essa aplicação prática nos desafia a promover a igualdade e a justiça social, buscando a unidade e a fraternidade no amor cristão.
  • Leva a Perdoar e restaurar relacionamentos: Paulo enfatiza a importância de Filemom perdoar Onésimo e acolhê-lo novamente não apenas como escravo, mas como irmão amado em Cristo. Essa passagem nos ensina a importância do perdão e da restauração de relacionamentos quebrados. Devemos estar dispostos a perdoar aqueles que nos ofenderam, permitindo que o amor fraterno prevaleça sobre os conflitos passados. Isso requer humildade, compaixão e disposição para reconstruir os laços fraternais.
  • Leva Valorizar as contribuições de cada pessoa: Paulo destaca a mudança na vida de Onésimo, que passou de inútil a útil tanto para Paulo quanto para Filemom. Essa aplicação prática nos ensina a valorizar as contribuições de cada pessoa, reconhecendo o potencial e as habilidades que elas possuem. Devemos estar dispostos a colaborar e beneficiar uns aos outros, reconhecendo que cada pessoa tem um papel importante a desempenhar no corpo de Cristo. Essa atitude promove o crescimento mútuo, a cooperação e o fortalecimento da comunidade cristã.

III – A Necessidade de Restaurar Relacionamentos (Filemom 1:17-22)

Existem algumas razões que podem dificultar as pessoas de restaurarem relacionamentos na família e igreja incluem:

  • Orgulho: Muitas vezes o orgulho impede as pessoas de admitirem seus erros e darem o primeiro passo para a reconciliação. Cada um espera que o outro tome a iniciativa.
  • Ressentimento: Quando há mágoas e ofensas profundas, o ressentimento pode levar as pessoas a se fecharem e não desejarem a restauração.
  • Medo: As pessoas podem temer se abrir novamente e se tornarem vulneráveis ao se reconciliarem. Há o medo de se magoarem ou serem rejeitadas.
  • Falta de perdão: Não perdoar genuinamente impede a restauração plena dos relacionamentos. Amargura e rancor destroem relacionamentos.
  • Diferenças irreconciliáveis: Em alguns casos, as diferenças em valores, visões ou estilo de vida são tão grandes que as pessoas não conseguem encontrar um terreno comum.
  • Comunicação deficitária: Problemas de comunicação, onde as pessoas não se expressam com transparência e respeito, dificultam a resolução de conflitos e a restauração.
  • Individualismo: O foco em interesses e necessidades individuais, sem considerar o coletivo, mina os relacionamentos familiares e comunitários.
  • Falta de tempo: Dar prioridade a outras coisas ao invés de investir tempo para resolver conflitos e restaurar relacionamentos fraternos.

Superar esses desafios requer esforço, humildade, compaixão e compromisso com a reconciliação, mas trará cura e união profundas.

Nos versos 17 a 22, Paulo aborda a necessidade prática de tomar medidas para promover a efetiva reconciliação entre Filemom e Onésimo.

Ele se dispõe a pagar qualquer dívida que Onésimo possa ter com Filemom, assumindo essa responsabilidade. Paulo está disposto a sacrificar seus próprios recursos para saldar qualquer conta pendente, colocando a reconciliação acima de seus interesses pessoais. Essa atitude generosa de Paulo serve como um exemplo do alto nível de comprometimento necessário para buscar sinceramente a restauração de um relacionamento. Não basta apenas palavras, é preciso ações práticas.

Paulo sabia que para Filemom realmente aceitar Onésimo de volta como irmão, qualquer ressentimento por dinheiro ou bens devidos precisaria ser eliminado. Por isso, Paulo se responsabiliza por isso, mostrando que nenhuma barreira material deve impedir a reconciliação. 

Precisamos estar dispostos a enfrentar desafios como o orgulho, a má comunicação e dar o primeiro passo para restaurar relacionamentos importantes em nossas vidas. Assim como Paulo, nossa motivação deve ser o amor e o desejo de cura e unidade.

Conclusão: 

Irmãos e irmãs, estamos chegando ao fim de nossa reflexão sobre as preciosas lições de reconciliação contidas na carta a Filemom. 

Vimos como Paulo faz um apelo ao perdão e à restauração do relacionamento entre Filemom e Onésimo. Essas verdades nos desafiam a avaliar nossos próprios relacionamentos à luz do evangelho. Existem áreas em nossas vidas pessoais, familiares ou eclesiásticas que precisam de cura e reconciliação?

Talvez tenhamos nos afastado ou magoado alguém com nossas palavras e ações. Ou fomos nós que sofremos uma ofensa ou rejeição, e hoje carregamos mágoa e ressentimento.

Seja qual for a situação, a Palavra de Deus nos convida a buscar o caminho do perdão, da paz e da restauração. Não podemos celebrar a Ceia do Senhor enquanto ignoramos conflitos e divisões à nossa volta.

Que o exemplo de Paulo em Filemom nos encoraje a dar o primeiro passo, pedindo ou concedendo perdão. Vamos transmitir aceitação e demonstrar o amor de Cristo praticamente àqueles que nos cercam.

O evangelho tem poder para transformar vidas, curar feridas e reconciliar relacionamentos. Peçamos ao Senhor que abrande nossos corações hoje. Que Ele nos torne instrumentos de reconciliação onde quer que haja conflito e divisão.

Não esperamos até amanhã aquilo que podemos fazer hoje. Se algum irmão ou irmã tem algo contra nós, vamos procurá-los e buscar a paz. E se nós magoamos alguém, humildemo-nos e peçamos perdão. Este é o caminho de Cristo.

Sigamos, portanto, o exemplo de Paulo e Filemom, e vivamos como verdadeiros filhos e filhas de Deus, dispostos a perdoar e restaurar, para Sua honra e glória.

👉Gostou do nosso site? Ajude-nos a mantê-lo e melhorá-lo ainda mais!

👉Abençoe-nos com uma oferta via PIX: CPF 02385701421

👉Seja um parceiro desta obra e ajude a espalhar o conhecimento e a palavra de Deus. 

“Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.” Lucas 6:38

SOBRE O AUTOR:
Josias Moura de Menezes

É formado em Teologia, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. É especialista em Marketing Digital, Produção Audiovisual para Web, Tecnologias de Aprendizagem a Distância, Inteligência Artificial, Jornalismo Digital e possui Mestrado em Teologia. Atua ministrando cursos de capacitação profissional e treinamentos online em diversas áreas. Para mais informações sobre o autor <clique aqui>.

Compartilhe esta mensagem

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
Email

FAÇA NOSSOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA GRATUITOS

Livre

Capacitação em Gestão do Tempo, Planejamento Pessoal e Produtividade – Gratuito

ADQUIRA NOSSAS BIBLIOTECAS DIGITAIS

Show Comments (0)

Deixe uma resposta