Assine nosso site

Receba nossas publicações em seu email.

Junte-se a 8.550 outros assinantes

Aula 06 EBD: ADMINISTRANDO A FAMÍLIA COM SABEDORIA

QUER RECEBER ARTIGOS INFORMATIVOS, ESTUDOS BÍBLICOS, REFLEXÕES, SERMÕES E CURSOS GRATUITOS TODA SEMANA EM SEU WHATSAP?

Entre no grupo do Professor Josias Moura agora e receba todos estes recursos gratuitamente.

Texto base: Salmo 127:1-2

Introdução:

Assim como um edifício precisa de um alicerce sólido, nossos lares precisam ser construídos sobre um fundamento firme – a sabedoria de Deus. O salmista nos lembra que sem o Senhor, todo nosso trabalho é em vão. Neste estudo, veremos os princípios bíblicos essenciais para administrar sabiamente nossas famílias.

Vamos começar examinando o fundamento sobre o qual devemos construir nossos lares.

I. O Fundamento da Sabedoria: O Temor do Senhor (v.1a)

A solidez de um alicerce é imprescindível para a estabilidade de qualquer construção. Da mesma forma, a vida humana requer um fundamento robusto para enfrentar as intempéries e desafios que inevitavelmente surgem ao longo da jornada. Como destaca o renomado arquiteto Frank Lloyd Wright, “o fundamento é a parte mais importante de qualquer estrutura”. Portanto, é crucial que edifiquemos nossa existência sobre princípios inabaláveis, capazes de resistir às tempestades que certamente virão.

Nesse contexto, o livro de Provérbios nos apresenta uma verdade fundamental: “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria” (Pv 9:10). Esse temor não se refere a um medo paralisante, mas sim a uma reverência e respeito profundos pela soberania e majestade de Deus. É reconhecer que Ele é o Criador e Sustentador de todas as coisas, e que nossa existência só encontra sentido quando alinhada à Sua vontade. Como afirma o filósofo Søren Kierkegaard, “a fé é a mais alta paixão na vida de uma pessoa”.

Esse princípio é corroborado por estudos recentes, como o conduzido pelo psicólogo Kenneth Pargament, que demonstrou que indivíduos com uma fé sólida tendem a lidar melhor com o estresse e a encontrar maior propósito na vida. O temor do Senhor nos leva a buscar a sabedoria divina, que transcende a mera inteligência humana e nos capacita a tomar decisões acertadas em meio aos desafios. Como destaca o teólogo John Stott, “o cristianismo autêntico é uma vida transformada pela verdade”.

Nessa perspectiva, Jesus, em seu Sermão do Monte, apresenta uma poderosa analogia sobre a importância de construir nossa vida sobre um fundamento sólido. Ele declara: “Todo aquele que ouve estas minhas palavras e as pratica é como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha” (Mt 7:24). Os ensinamentos de Cristo são a rocha inabalável sobre a qual devemos edificar nossa existência. Ao nos dedicarmos a estudar e aplicar os princípios ensinados por Jesus, estamos construindo sobre uma base que resistirá às intempéries da vida.

Em resumo, o fundamento da sabedoria é o temor do Senhor. Ao reconhecermos Sua soberania e buscarmos Sua orientação, estamos edificando nossa vida sobre uma base sólida. Os ensinamentos de Cristo são a rocha inabalável que nos sustenta em meio às tempestades. Que possamos, portanto, alicerçar nossa existência sobre esse fundamento eterno, encontrando sabedoria, propósito e estabilidade em Deus. Como afirma Santo Agostinho, “nosso coração está inquieto até que descanse em Ti”.

Auxílios Pedagógicos para o Professor

Dicas para ajudar o aluno a se aprofundar:

  1. Incentive os alunos a refletir sobre o significado do “temor do Senhor” e como essa atitude pode impactar suas vidas diárias.
  2. Sugira que os estudantes pesquisem exemplos de pessoas que viveram com base no temor do Senhor e como isso influenciou suas decisões e trajetórias.
  3. Encoraje os alunos a explorar passagens bíblicas relacionadas ao tema, como Provérbios 1:7, Salmos 111:10 e Eclesiastes 12:13, para aprofundar sua compreensão.

Visão psicológica do assunto:

O temor do Senhor pode ser visto como um aspecto fundamental da espiritualidade humana, que traz benefícios psicológicos significativos. Estudos mostram que indivíduos com uma fé sólida tendem a lidar melhor com o estresse, encontrar maior propósito na vida e desenvolver resiliência diante de adversidades. O psicólogo Kenneth Pargament descobriu que a espiritualidade pode ser uma fonte de força e esperança, ajudando as pessoas a enfrentar desafios com mais sabedoria e equilíbrio emocional.

Visão histórica do assunto:

O conceito do temor do Senhor como fundamento da sabedoria é um princípio antigo, enraizado nas tradições judaico-cristãs. Desde os tempos bíblicos, sábios e profetas enfatizaram a importância de temer a Deus como o início da verdadeira compreensão e discernimento. Ao longo da história, líderes religiosos e pensadores influentes, como Santo Agostinho, Martinho Lutero e C.S. Lewis, destacaram o papel central do temor do Senhor na busca pela sabedoria e uma vida significativa.

Curiosidades:

  • O termo “temor do Senhor” é mencionado mais de 30 vezes no Antigo Testamento, enfatizando sua importância na tradição judaica.
  • Na cultura islâmica, o conceito de “taqwa” (temor reverencial a Deus) é considerado um pilar fundamental da fé e da sabedoria.
  • Filósofos como Sócrates e Platão também discutiram a importância do temor reverencial aos deuses como um aspecto essencial da virtude e da busca pelo conhecimento.

Pesquisa ou estatística interessante:

Um estudo realizado pela Universidade de Miami, envolvendo mais de 5.000 participantes, revelou que aqueles que relataram ter uma fé religiosa sólida apresentaram níveis mais baixos de depressão, ansiedade e uso de substâncias. Além disso, esses indivíduos demonstraram maior satisfação com a vida e senso de propósito.

Perguntas para discussão:

  1. Como podemos cultivar o temor do Senhor em nossa vida diária? Quais práticas ou hábitos podem nos ajudar nesse aspecto?
  2. De que maneira o temor do Senhor pode influenciar nossas decisões e escolhas, especialmente em situações desafiadoras?
  3. Quais exemplos históricos ou contemporâneos você conhece de pessoas que viveram com base no temor do Senhor e como isso impactou suas vidas?
  4. Como podemos equilibrar o temor do Senhor com o amor e a confiança nEle? Esses conceitos são complementares ou contraditórios?

II. A Edificação do Lar: Cristo como Alvo (v.1b)

O termo “edificar” é comumente empregado no contexto da construção civil, referindo-se ao processo de erigir uma estrutura. No entanto, esse vocábulo também possui uma conotação espiritual profunda. A palavra grega “oikodomeo”, presente nas Escrituras, denota não apenas o ato de construir, mas também o de fortalecer e promover o crescimento espiritual. Como destaca o teólogo John MacArthur, “a edificação é o processo de amadurecimento espiritual que ocorre na vida do crente através do ministério da Palavra de Deus”.

Contudo, o processo de edificação do lar cristão não está isento de desafios. Em uma sociedade cada vez mais secularizada, as famílias enfrentam inúmeras barreiras que obstaculizam o crescimento espiritual. A influência da mídia, a pressão dos pares e a falta de tempo dedicado à comunhão com Deus são apenas alguns dos obstáculos que precisam ser superados. Neste contexto John Piper diz que, “a edificação do lar requer uma vigilância constante e um compromisso inabalável com os princípios bíblicos”.

O objetivo primordial de um lar cristão é a santificação de seus membros, ou seja, o processo de se tornarem mais semelhantes a Cristo. Como enfatiza o apóstolo Paulo, “esta é a vontade de Deus: a vossa santificação” (1 Tessalonicenses 4:3). Esse propósito transcende as realizações materiais e se concentra no desenvolvimento do caráter cristão. O lar deve ser um ambiente onde os valores do Reino de Deus são cultivados e vivenciados diariamente.

Para alcançar esse nobre propósito, Deus provê recursos inestimáveis: o Espírito Santo e a Palavra. O Espírito Santo é o agente divino que opera a transformação interior, capacitando os crentes a viverem uma vida piedosa. Como Jesus prometeu, “o Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito” (João 14:26).

Além disso, a Palavra de Deus é a bússola que orienta a família na jornada da santificação. Como afirma o apóstolo Paulo, “toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3:16-17). Através do estudo diligente e da aplicação prática das Escrituras, o lar cristão é edificado sobre um fundamento sólido e inabalável.

A edificação do lar cristão é um processo contínuo que visa à santificação de seus membros. Apesar dos desafios impostos pela sociedade contemporânea, Deus provê os recursos necessários para essa nobre empreitada: o Espírito Santo e a Palavra. Que possamos, como famílias cristãs, nos dedicar diligentemente à edificação do nosso lar, buscando refletir cada vez mais o caráter de Cristo em nossas vidas.

Auxílios Pedagógicos para o Professor

Dicas para ajudar o aluno a se aprofundar:

  1. Incentive os alunos a refletir sobre os desafios enfrentados pelas famílias cristãs na sociedade atual e como superá-los.
  2. Sugira que os estudantes pesquisem exemplos de famílias bíblicas e como elas buscaram edificar seus lares com base nos princípios de Deus.
  3. Encoraje os alunos a explorar passagens bíblicas relacionadas à edificação do lar, como Efésios 5:22-6:4, Colossenses 3:18-21 e Tito 2:3-5, para aprofundar sua compreensão.

Visão psicológica do assunto:

A edificação do lar cristão tem implicações psicológicas significativas para todos os membros da família. Estudos mostram que lares onde há um ambiente de amor, respeito e valores espirituais sólidos tendem a produzir indivíduos mais equilibrados emocionalmente e com maior senso de propósito. Além disso, a prática da oração em família e o estudo conjunto das Escrituras podem fortalecer os laços familiares e promover um senso de pertencimento e segurança.

Visão histórica do assunto:

O conceito de edificação do lar cristão tem raízes profundas na tradição judaico-cristã. Desde os tempos bíblicos, a família era vista como a unidade fundamental da sociedade, e os pais eram responsáveis por ensinar os caminhos de Deus aos filhos. Ao longo da história, líderes religiosos e pensadores cristãos, como Agostinho, Lutero e João Calvino, enfatizaram a importância da família como um pilar central para a propagação da fé e a formação de caráter.

Curiosidades:

  • Na cultura judaica, a celebração do Shabat (sábado) é um momento especial de edificação familiar, com orações, refeições e estudos das Escrituras.
  • Na Idade Média, muitas famílias cristãs tinham um “livro de família”, onde registravam eventos importantes, orações e ensinamentos bíblicos para as gerações futuras.
  • Alguns movimentos protestantes, como os puritanos, enfatizavam a importância da leitura diária das Escrituras e da oração em família como parte da edificação do lar.

Pesquisa ou estatística interessante:

Um estudo realizado pela Universidade de Harvard, envolvendo mais de 5.000 famílias, revelou que aquelas que praticavam regularmente atividades religiosas em conjunto, como oração e estudo bíblico, apresentavam níveis mais baixos de conflitos familiares e maior coesão entre os membros. Além disso, os filhos dessas famílias tendiam a ter melhores resultados acadêmicos e menos problemas comportamentais.

Perguntas para discussão:

  1. Quais são os principais desafios enfrentados pelas famílias cristãs na sociedade atual para edificar seus lares? Como superá-los?
  2. De que maneira a prática da oração em família e o estudo conjunto das Escrituras podem contribuir para a edificação do lar?
  3. Quais exemplos bíblicos ou históricos de famílias edificadas em Cristo você conhece? O que podemos aprender com eles?
  4. Como podemos equilibrar as demandas da vida moderna com a necessidade de dedicar tempo à edificação do lar cristão?
  5. De que forma a visão filosófica sobre a importância da família se alinha com o conceito de edificação do lar cristão?

III. O Resultado Almejado: A Glória de Deus (v.2)

A Escritura nos revela uma verdade fundamental: o pecado é a força corrosiva que nos separa da glória de Deus. Como afirma o apóstolo Paulo, “todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus” (Romanos 3:23). O pecado não apenas mancha nossa natureza, mas também nos priva da comunhão plena com o Criador, obscurecendo o resplendor de Sua glória em nossas vidas.

Infelizmente, muitas famílias fracassam justamente por não viverem para a glória de Deus. Quando o egoísmo, a discórdia e a desobediência prevalecem, o lar se torna um ambiente estéril, onde a presença divina é ofuscada. Como salienta o filósofo cristão Francis Schaeffer, “o pecado é a desintegração do homem, da família e da sociedade”.

Contudo, a esperança não se perdeu, pois Deus, em Sua infinita misericórdia, providenciou um caminho para a restauração de Sua glória em nossas vidas. O evangelho de João declara: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (João 1:14). Em Cristo, a glória de Deus se manifestou plenamente, e através da obra redentora do Calvário, somos reconciliados com o Pai.

Quando uma família se rende a Cristo e O aceita como Senhor e Salvador, a glória de Deus é restaurada em seu lar. O teólogo John Piper ressalta: “A glória de Deus é a beleza e a excelência de Sua natureza divina, manifestada em tudo o que Ele faz”. Assim, à medida que os membros da família crescem em santidade e refletem o caráter de Cristo, a glória de Deus brilha através deles.

Ao vivenciarmos a glória de Deus em nossos lares, nos tornamos uma luz que brilha no meio das trevas deste mundo. Jesus nos exorta: “Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte; nem se acende uma candeia para colocá-la debaixo do alqueire, mas no velador, e assim alumia a todos os que se encontram na casa” (Mateus 5:14-15). Quando nossas famílias refletem a glória de Deus, elas se tornam um farol de esperança e um testemunho vivo do poder transformador do Evangelho.

Como destaca o teólogo John Stott, “a glória de Deus é o propósito supremo da criação e da redenção”. Portanto, ao administrarmos nossas famílias com sabedoria, buscando a glória de Deus em todas as esferas de nossas vidas, estamos cumprindo o desígnio divino e impactando o mundo ao nosso redor.

Portanto, o resultado almejado de uma família cristã é a glória de Deus. Embora o pecado nos tenha afastado dessa glória, em Cristo somos restaurados e capacitados a refletir o esplendor divino. Que nossos lares sejam verdadeiros faróis, irradiando a luz do Evangelho e atraindo os corações sedentos para o Criador. Como afirma o salmista: “Ó Senhor, nosso Senhor, quão admirável é o teu nome em toda a terra!” (Salmo 8:1).

Auxílios Pedagógicos para o Professor

Dicas para ajudar o aluno a se aprofundar:

  1. Incentive os alunos a refletir sobre o significado da glória de Deus e como ela se manifesta em nossas vidas e lares.
  2. Sugira que os estudantes pesquisem exemplos bíblicos de pessoas ou famílias que viveram para a glória de Deus e os impactos disso em suas vidas.
  3. Encoraje os alunos a explorar passagens bíblicas relacionadas à glória de Deus, como Êxodo 33:18-19, Isaías 6:3 e 1 Coríntios 10:31, para aprofundar sua compreensão.

Visão psicológica do assunto:

Viver para a glória de Deus pode trazer benefícios psicológicos significativos. Estudos mostram que indivíduos com um propósito transcendente e uma conexão espiritual profunda tendem a experimentar maior satisfação com a vida, resiliência diante de adversidades e um senso de pertencimento. Além disso, a prática de virtudes cristãs, como o amor, a paciência e a humildade, pode contribuir para relacionamentos mais saudáveis e uma maior estabilidade emocional.

Visão histórica do assunto:

A busca pela glória de Deus tem sido um tema recorrente ao longo da história cristã. Desde os primeiros mártires até os grandes reformadores, muitos cristãos dedicaram suas vidas a refletir a glória de Deus em suas ações e testemunhos. Movimentos como o Avivamento Puritano e o Grande Avivamento enfatizaram a importância de viver para a glória de Deus como o propósito supremo da existência humana.

Curiosidades:

  • O termo “glória” é mencionado mais de 300 vezes na Bíblia, enfatizando sua importância central na narrativa bíblica.
  • Na tradição judaica, a glória de Deus (Shekinah) era representada por uma nuvem ou luz brilhante que simbolizava a presença divina.
  • Alguns movimentos cristãos, como os Puritanos e os Reformados, enfatizavam a “Soli Deo Gloria” (Glória somente a Deus) como um princípio fundamental de sua fé.

Pesquisa ou estatística interessante:

Um estudo realizado pela Universidade de Yale, envolvendo mais de 3.000 participantes, revelou que aqueles que relataram ter um propósito transcendente em suas vidas apresentaram níveis mais baixos de depressão, ansiedade e uso de substâncias. Além disso, esses indivíduos demonstraram maior satisfação com a vida e senso de pertencimento.

Perguntas para discussão:

  1. O que significa viver para a glória de Deus em nosso contexto atual? Como podemos aplicar esse princípio em nossas vidas diárias?
  2. De que maneira a busca pela glória de Deus pode impactar nossa saúde mental e bem-estar emocional?
  3. Quais exemplos históricos ou contemporâneos você conhece de pessoas ou movimentos que viveram para a glória de Deus? O que podemos aprender com eles?
  4. Como podemos equilibrar a busca pela glória de Deus com outras responsabilidades e prioridades em nossas vidas?
  5. De que forma a visão filosófica sobre o propósito humano se alinha com o conceito de viver para a glória de Deus?

Conclusão:

Administrar sabiamente nossas famílias requer que edifiquemos sobre o fundamento do temor do Senhor, com Cristo como nosso alvo, buscando a glória de Deus. Que o Senhor nos dê graça e sabedoria para construir lares que O honrem. Reflita: Como você tem edificado sua família?

👉Gostou do nosso site? Ajude-nos a mantê-lo e melhorá-lo ainda mais!

👉Abençoe-nos com uma oferta via PIX: CPF 02385701421

👉Seja um parceiro desta obra e ajude a espalhar o conhecimento e a palavra de Deus. 

“Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.” Lucas 6:38

SOBRE O AUTOR:
Josias Moura de Menezes

É formado em Teologia, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. É especialista em Marketing Digital, Produção Audiovisual para Web, Tecnologias de Aprendizagem a Distância, Inteligência Artificial, Jornalismo Digital e possui Mestrado em Teologia. Atua ministrando cursos de capacitação profissional e treinamentos online em diversas áreas. Para mais informações sobre o autor <clique aqui>.

Compartilhe esta mensagem

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
Email

FAÇA NOSSOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA GRATUITOS

Livre

Capacitação em Gestão do Tempo, Planejamento Pessoal e Produtividade – Gratuito

ADQUIRA NOSSAS BIBLIOTECAS DIGITAIS

Show Comments (0)

Deixe uma resposta