Assine nosso site

Receba nossas publicações em seu email.

Junte-se a 8.554 outros assinantes

Cultivando a Gratidão em um Mundo conturbado

Texto Bíblico Base:  1º Crônicas 16:7-8, 9, 10, 12:

7 Naquele dia, Davi, pela primeira vez, entregou nas mãos de Asafe e de seus irmãos este cântico de ação de graças ao SENHOR: 8 Louvai ao SENHOR, invocai o seu nome, fazei conhecidos, entre os povos, os seus feitos. 9 Cantai-lhe, salmodiai-lhe, meditai nas suas maravilhas. 10 Gloriai-vos no seu nome santo; alegre-se o coração dos que buscam ao SENHOR. 12 Lembrai-vos das maravilhas que ele fez, dos seus prodígios e das ordenanças que pronunciou,

Introdução:

Esses versículos fazem parte do cântico de ação de graças de Davi quando ele trouxe a Arca da Aliança de volta a Jerusalém. Eles enfatizam a importância de louvar e dar graças ao Senhor, de fazer Suas obras conhecidas entre os povos e de se alegrar em Seu nome santo. Também destacam a necessidade de lembrar das maravilhas e prodígios que Deus realizou. Esses versículos servem como base para o estudo sobre gratidão e ter um coração agradecido.

Você já parou para pensar como a gratidão pode transformar profundamente nossas vidas? É uma emoção poderosa que vai além das palavras de “obrigado”. Ela nos conecta ao divino e nos permite enxergar o extraordinário no cotidiano. Hoje, vamos explorar o tema da gratidão e como ter um coração agradecido pode mudar nossa perspectiva sobre a vida. Nosso ponto de partida será o texto bíblico de 1º Crônicas 16.7, que nos convida a entender a importância de lembrar, louvar, alegrar e compartilhar as maravilhas que Deus realiza em nossas vidas.

Imagine por um momento se cada dia fosse uma oportunidade para expressar sua gratidão, independentemente das circunstâncias que enfrenta. Como isso afetaria sua perspectiva sobre a vida? Como isso impactaria sua fé e relacionamentos?

Neste sermão, exploraremos quatro aspectos cruciais da gratidão – lembrar, louvar, alegrar e compartilhar. Vamos descobrir como um coração agradecido pode nos tornar mais próximos de Deus e influenciar positivamente nosso mundo ao nosso redor.

Então, vamos mergulhar nessa jornada em busca de um coração agradecido, começando com a primeira parte – “Lembrando dos Feitos do Senhor”. 

Ao mergulharmos neste estudo, examinaremos quatro aspectos que nos ajudarão a compreender e viver a gratidão de forma prática e atual.

Parte 1: Lembrando dos Feitos do Senhor

O versículo-chave para esta parte é retirado de 1º Crônicas 16.12, que nos diz para lembrarmos das maravilhas que Deus fez, dos seus prodígios e das ordenanças que pronunciou. Vamos explorar o significado profundo dessa instrução e como ela se aplica às nossas vidas.

Neste verso, o salmista nos chama a lembrar dos feitos grandiosos de Deus em nossas vidas e na história do Seu povo. Ele nos convida a recordar as maravilhas que Deus realizou, desde a criação do mundo até os momentos mais recentes de Sua intervenção divina. Essa lembrança não é apenas uma atividade mental, mas um ato de reconhecimento e gratidão.

Salmo 77.11-12 destaca a importância de lembrar dos feitos de Deus como fonte de encorajamento e fortalecimento da fé: “Lembro-me dos feitos do Senhor; sim, lembro-me dos teus prodígios antigos. Medito em todas as tuas obras e considero todos os teus feitos.”

Êxodo 13.3 nos lembra da instrução de Moisés ao povo para lembrar o dia da libertação do Egito como um marco da intervenção divina: “Moisés disse ao povo: Lembrem-se deste dia, o dia em que vocês saíram do Egito, da terra da escravidão, porque o Senhor os tirou de lá com mão poderosa.”

Pensadores como Charles Spurgeon afirmaram que a gratidão começa quando reconhecemos que tudo o que temos vem de Deus e que isso inclui a lembrança constante de Suas bênçãos passadas. Isso significa que devemos ter uma postura de humildade e reconhecimento diante do Criador, que nos concede tudo o que precisamos para viver. Também implica que devemos cultivar uma memória agradecida, que nos faz recordar das obras de Deus em nossa história pessoal e coletiva, e que nos inspira a confiar em Sua fidelidade e bondade.

A aplicação prática da lembrança dos feitos do Senhor nos leva à gratidão e ao reconhecimento de que Ele é o autor de todas as bênçãos em nossas vidas. Devemos aplicar isso diariamente, começando com a reflexão sobre as bênçãos pessoais e, em seguida, estendendo essa gratidão para as interações com os outros. Quando nos lembramos das maravilhas de Deus, nossa perspectiva se transforma, e somos capazes de enfrentar as dificuldades com confiança e fé, sabendo que o mesmo Deus que agiu no passado está conosco no presente e no futuro.

Agora que entendemos a importância de lembrar dos feitos do Senhor, avançaremos para a próxima parte deste estudo, que trata de como louvar e exaltar o nome do Senhor em resposta à Sua bondade e graça.

Parte 2: Louvando e Exaltando o Nome do Senhor

Nesta parte do nosso estudo, mergulharemos profundamente na importância de louvar e exaltar o nome do Senhor, conforme nos instrui o trecho de 1º Crônicas 16.9a: “Cantem para ele, louvem-no”. Vamos explorar como o ato de louvor está intrinsecamente ligado à nossa gratidão e como ele pode transformar nossas vidas.

Este versículo nos convoca a expressar nosso louvor a Deus, reconhecendo Sua grandeza e bondade. Louvar não é apenas uma atividade religiosa; é um ato de adoração que envolve a celebração das vitórias, bênçãos e caráter de Deus. Quando cantamos e louvamos, estamos dando voz ao nosso agradecimento e expressando nossa devoção.

Salmo 95.1-2 nos ensina a abordar Deus com alegria e gratidão, louvando-O com cânticos de adoração: “Venham, cantemos ao Senhor com alegria! Aclamemos a Rocha da nossa salvação. Vamos à presença dele com ações de graças; vamos aclamá-lo com cânticos de louvor.”

O salmista Davi nos encoraja a louvar o Senhor continuamente, não apenas em momentos específicos, mas em todas as circunstâncias, como visto em Salmo 34.1: “Louvarei o Senhor em todo o tempo; os meus lábios sempre o louvarão.”

Agostinho, um dos maiores teólogos da história, disse: “Aquele que canta ora duas vezes”. Ele entendia que o louvor é uma forma de se aproximar de Deus, de comunicar-se com Ele e de expressar-lhe os sentimentos mais profundos do coração. Ele também afirmou que o louvor é uma forma de participar da alegria celestial, pois os anjos e os santos louvam a Deus continuamente no céu.

Albert Schweitzer, um filósofo, teólogo e médico que dedicou sua vida ao serviço humanitário na África, disse: “O louvor é a forma mais elevada de oração, pois nele não se pede nada, mas se dá graças por tudo”. Ele entendia que o louvor é uma forma de reconhecer a soberania e a bondade de Deus em todas as circunstâncias, e de agradecer-lhe por todas as bênçãos recebidas. Ele também afirmou que o louvor é uma forma de se alinhar com a vontade de Deus e de se entregar a Ele.

A aplicação prática desta parte envolve cultivar um estilo de vida de louvor e adoração a Deus: Comece com ações simples, como dedicar momentos diários para louvar em canções, agradecendo pelas bênçãos recebidas. Além disso, ao enfrentar desafios, transforme seus clamores em cânticos de fé e confiança em Deus. Quando louvamos e exaltamos o nome do Senhor, nossa perspectiva muda, e somos fortalecidos em nossa jornada espiritual.

Agora que compreendemos a importância de louvar o nome do Senhor, passaremos para a terceira parte deste estudo, que nos desafia a encontrar a alegria na presença de Deus, independentemente das circunstâncias que enfrentamos.

Parte 3: Alegrando-se no Senhor Apesar das Circunstâncias

No versículo-chave desta parte, 1º Crônicas 16.10, somos instruídos a nos alegrar no Senhor e glorificar o Seu santo nome. Esta seção explorará a importância de encontrar alegria na presença de Deus, independentemente das circunstâncias que enfrentamos, e como essa alegria transcende as situações temporais.

Neste versículo, Davi nos lembra que nossa alegria não deve ser condicionada às circunstâncias externas, mas deve encontrar sua fonte na presença de Deus. A alegria cristã é uma alegria profunda, duradoura e inabalável que nasce da certeza da presença de Deus em nossas vidas.

Salmo 16.11 ressalta que a verdadeira alegria é encontrada na presença de Deus e não na situação vivida, independentemente das circunstâncias: “Na tua presença há plenitude de alegria; à tua mão direita há delícias perpetuamente.”

O apóstolo Paulo enfatiza a importância de encontrar alegria em Deus como um princípio constante em nossas vidas em Filipenses 4.4: “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos.”

Pensadores como A.W. Tozer destacaram que a alegria é uma obrigação para o cristão e não uma opção, e Martin Seligman, conhecido por seu trabalho em psicologia positiva, enfatizou a importância de encontrar alegria e gratidão como elementos-chave para uma vida significativa e resiliente.

A aplicação prática desta parte é reconhecer que a alegria cristã não depende do que está acontecendo ao nosso redor. Devemos cultivar um coração que se alegra na presença de Deus, dedicando tempo à oração, à leitura da Palavra e à adoração, mesmo nos momentos difíceis. Ao fazê-lo, nossa alegria se tornará uma força que nos sustenta e influencia positivamente os outros ao nosso redor.

Agora que compreendemos como nos alegrar no Senhor independente das circunstâncias, avançaremos para a quarta parte deste estudo, que nos desafia a compartilhar as obras maravilhosas do Senhor e a cultivar um coração grato que glorifica Seu nome.

Parte 4: Compartilhando os Feitos do Senhor

O versículo que guia esta parte é retirado de 1º Crônicas 16.8b, onde somos instruídos a “divulgar entre as nações o que ele tem feito”. Vamos explorar o significado profundo dessa instrução e como compartilhar as obras maravilhosas de Deus é uma parte essencial de nossa jornada de fé.

Este versículo nos desafia a não mantermos as maravilhas de Deus em nossa vida em segredo. Em vez disso, devemos compartilhá-las com outros, para que todos possam conhecer e experimentar o amor e o poder de Deus. Testemunhar sobre as obras de Deus não apenas fortalece nossa própria fé, mas também espalha a boa notícia do evangelho.

Mateus 28.19-20 instrui os seguidores de Jesus a fazer discípulos de todas as nações, compartilhando a mensagem do evangelho, enquanto Atos 1.8 nos lembra que o Espírito Santo capacita os crentes a serem testemunhas das obras de Deus em todo o mundo.

O teólogo John Stott afirmou: “O evangelismo não é uma opção, mas uma obrigação. Se temos encontrado a salvação em Cristo, temos o dever de compartilhá-la com os outros.” 

Apesar de não ser evangélico Gandhi disse: “Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo.” Em outras palavras, Gandi aqui esta dizendo que devemos compartilhar de Cristo através da forma que por exemplo as pessoas onde trabalhamos ou estudamos.  Ao compartilhar o amor de Deus, podemos ser agentes de transformação em nossa comunidade e no mundo.

A aplicação prática desta parte envolve ser ativo em compartilhar as obras maravilhosas de Deus em sua vida: Comece compartilhando seu testemunho pessoal com amigos, familiares e colegas. Além disso, participe de oportunidades de serviço e evangelismo em sua comunidade para alcançar aqueles que ainda não conhecem a graça de Deus. Ao fazer isso, você não apenas fortalecerá sua fé, mas também será uma fonte de inspiração e esperança para outros.

À medida que concluímos esta parte sobre compartilhar as obras de Deus, avançaremos para a conclusão deste estudo, que nos desafiará a viver uma vida de gratidão contínua, glorificando o nome do Senhor em tudo o que fazemos.

Conclusão:

Hoje, exploramos a importância de ter um coração agradecido, baseando-nos nas palavras inspiradoras de Davi em 1º Crônicas 16.7. Descobrimos que a gratidão não é apenas uma emoção superficial, mas uma atitude que pode transformar nossa vida de várias maneiras.

Lembramos a importância de não esquecer os feitos do Senhor, louvar e exaltar o Seu nome, alegrar-se na Sua presença, independentemente das circunstâncias, e compartilhar as obras maravilhosas de Deus com o mundo.

Agora, a pergunta crucial é: como aplicaremos esses ensinamentos em nossas vidas diárias? Que diferença fará se escolhermos cultivar um coração agradecido?

A resposta é simples, mas profunda. Ao adotar a gratidão como um estilo de vida, encontraremos paz em meio ao caos, alegria em nossos corações em tempos difíceis e um propósito maior em servir a Deus e aos outros. Nossa fé se fortalecerá, e nossos relacionamentos se tornarão mais significativos. Além disso, seremos luzes que brilham em um mundo que muitas vezes está envolto em escuridão.

Portanto, convido você a fazer uma escolha hoje. Escolha ter um coração agradecido, comprometa-se a lembrar, louvar, alegrar e compartilhar as maravilhas de Deus. Permita que essa atitude transforme sua vida e impacte positivamente aqueles ao seu redor.

Lembre-se, a gratidão não é apenas uma emoção; é uma escolha consciente que pode fazer toda a diferença. Que possamos viver cada dia com um coração agradecido, glorificando o nome do Senhor em tudo o que fazemos.

É formado em Teologia,  Análise e desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. Especializado  em Marketing Digital, Produção audio visual para Web, tecnologias de aprendizagem a distância,  e Mestre em Teologia. Ministra cursos de capacitação profissional e treinamentos online em diversos segmentos. 

 >>  MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR

Compartilhe esta mensagem

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
Email

FAÇA NOSSOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA GRATUITOS

Livre

Capacitação em Gestão do Tempo, Planejamento Pessoal e Produtividade – Gratuito

Livre

Capacitação em Como preparar e transmitir mensagens bíblicas – Gratuito

Livre

Capacitação em Bibliologia – Como a Bíblia chegou até nós – Gratuito

ADQUIRA NOSSAS BIBLIOTECAS DIGITAIS

Show Comments (0)

Deixe uma resposta