Assine nosso site

Receba nossas publicações em seu email.

Junte-se a 8.544 outros assinantes

Estudo da EBD on line. Tema: Como Deus nos vê?

QUER RECEBER ARTIGOS INFORMATIVOS, ESTUDOS BÍBLICOS, REFLEXÕES, SERMÕES E CURSOS GRATUITOS TODA SEMANA EM SEU WHATSAP?

Entre no grupo do Professor Josias Moura agora e receba todos estes recursos gratuitamente.

COMO DEUS NOS VÊ?

“Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração.” (1 Samuel 16;7)

Introdução

Ao lançarmos um rápido olhar sobre o cenário mundial, vamos perceber que há muita desolação, desesperança e uma baixa autoestima em muitas pessoas. Algumas delas costumam olhar para si mesmas e até se acham indignas de receber algo divino que as faça mais felizes, porque simplesmente se veem como seres insignificantes, inseguros, incapazes.

E como será que Deus nos vê? Segundo a Bíblia, o Criador nos vê como a menina de seus olhos, pois somos o centro de sua atenção. Também o rei Davi clamou ao Senhor (Sl 17,8) para o guardar como a menina de seus olhos, o que significa que temos tanto valor quanto as pupilas de Deus.

Existem pessoas que, infelizmente, se acham insignificantes, sem nenhum valor, e, muitas vezes, acabam se perdendo na vida. Todavia, Deus deixa claro que temos valor para Ele, tanto que não hesitou em nenhum momento ao entregar seu filho para que fôssemos livres do pecado e da morte eterna. Quem leva uma pessoa a pensar mal de si mesma é o próprio satanás, que cega e distorce a verdade. Mas o Senhor busca e conhece as pessoas que têm o coração aberto e receptivo a Ele.

Um passeio pela linha do tempo da Bíblia nos mostra que muitos personagens foram escolhidos por Deus de acordo com sua disposição em servi-lo, e não por serem feias ou bonitas, ricas ou pobres. Um exemplo é o de Davi, que, embora franzino, de baixa estatura e pastor de ovelhas, foi escolhido por Deus para vencer um gigante e ser rei de Israel, porque era um homem segundo o coração de Deus, ou seja, ele ansiava pelo Senhor.

Para Deus, o mais importante é o que vai em nosso coração, o que pensamos sobre nós mesmos e que direciona nossos desejos e emoções. A partir da forma como nos vemos, o Senhor começa a agir em nossas vidas. Deus não se importa com nossa estatura, conta bancária ou se possuímos bens materiais. Ele vê nosso interior.

Se Deus age a partir daquilo que levamos em nossos corações, devemos cultivar pensamentos sadios e um conceito positivo a respeito de nós mesmos. Temos que ficar atentos a nossos talentos e capacidade de desenvolvê-los para fazer a obra do Senhor, por meio daquilo que Ele nos orienta.

Não devemos nos apresentar a Deus como super-homens, perfeitos, até porque Deus não nos vê dessa forma.  O estudo de hoje, tem como objetivo levar cada um de nós a entender a verda­de maravilhosa de como Deus nos vê.

E o mais importante é esta visão que Deus tem de nós, não o que en­xergamos em nossa vida. O apóstolo Paulo diz: “Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, co­nheço em parte; então, conhece­rei como também sou conhecido. (1 Coríntios 13.12.)

Nós precisamos ter a visão de Deus. Temos de nos enxergar como pessoas preciosas ao Senhor.

Contudo, para que passemos a nos ver como Deus nos vê, é neces­sário que tomemos algumas atitu­des:

1)Despertar do Sono do Auto-desprezo

“E digo isto a vós outros que conheceis o tempo: já é hora de vos despertardes do sono…” (Ro­manos 13.11.)

Será que realmente tem importân­cia aquilo que pensamos de nós mes­mos? Sim, tem. Se pensamos que somos lixo, nos­sa tendência será a agir como lixo.

Algumas pessoas não conseguem ter amigos, porque estão convencidas de que não têm nada a oferecer-lhes. Enquanto acharmos que não pres­tamos para nada, enquanto estiver­mos preocupados com o que os ou­tros pensam de nós, teremos muita dificuldade em amar o nosso próxi­mo e até mesmo a Deus.

Quando ficamos no quarto, nos lamentando, com pena de nós mes­mos, nos aproximamos do nível pe­rigoso de achar que não temos valor nenhum. Mas não somos “um joão-ninguém”, sem lugar no mundo. Deus nos criou e fez de nós, em algum lu­gar, um ser muito precioso.

2)Crer que Somos a Menina dos Olhos de Deus

Davi nos deixou um importante li­ção no versículo 8 do Salmo 17. Ele se expôs aos olhos de Deus. O salmista desejava ser visto como real­mente era. Depois disso estava pronto para ver Deus face a face. Davi orou: “Guarda-me como a menina dos olhos, esconde-me à sombra das tuas asas.”

A expressão menina dos olhos é muitas vezes usada nas Escrituras. No hebraico, significa “o homenzinho dos olhos” ou “a filha dos olhos”.

Uma interpretação para essa ex­pressão tem como base o que vemos quando olhamos bem de perto nos olhos de alguém. Vemos a nossa pró­pria imagem. Se estamos bem perto da pessoa, vemos o nosso próprio re­flexo. Se aplicarmos esse fato ao nos­so relacionamento íntimo com Deus, o significado é que ele está olhando para nós. Então entendemos que so­mos o centro da atenção divina e que podemos ver a nós mesmos como somos quando virmos a nós mesmos através dos olhos de Deus.

Outra interpretação de “menina dos olhos” é que Deus nos ama e nos dá tanto valor como o damos à nos­sa própria vista. Nesse caso, a meni­na dos olhos é a pupila.

Charles Spurgeon faz o seguinte comentário sobre essa expressão: “Parte alguma do corpo é mais preciosa, mais delicada e mais cuidadosamente guardada do que os olhos; e a parte dos olhos que deve ser guardada com maior cui­dado é a central, a pupila, ou a ‘menina dos olhos’. “O sábio Criador colocou os olhos num lugar bem protegido; estão cercados por ossos que se projetam como os montes ao re­dor de Jerusalém.

“Além disso, seu grande Autor os circundou com muitas túnicas interiores, além do cercado que são as sobrancelhas, a cortina que são as pestanas e a cerca que são as pálpebras; além disso tudo, ele deu aos homens um valor tão grande para com seus olhos e uma apreensão de perigo tão instantânea, que parte alguma do corpo é mais fielmente cuidada do que o órgão da visão.”

Assim como damos valor às pupi­las e ao maravilhoso dom da visão, da mesma forma o Senhor cuida de cada um de nós.

O Senhor nos vê, nos conhece, cui­da de nós e jamais nos abandonará. Seu amor ilimitado cura as nossas mágoas. Quando percebemos que somos a menina dos olhos de Deus, sentimos a divina graça que é infini­ta.

Vemos o nosso reflexo em seus olhos não como a pessoa que temos sido, mas como o milagre que pode­mos vir a ser.

3)Endireitar Nossos Conceitos Teológicos Errados

Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um.” (Romanos 12.3).

Temos de permitir que Deus e sua Palavra consertem nossas falsas idéias. É impossível uma pessoa vi­ver de maneira certa, se seus conceitos são errados. Não podemos praticar a verdade, quando acredi­tamos num erro.

É falso o conceito de que Deus se agrada de uma atitude de auto-depreciação, que ela é parte da humil­dade cristã e necessária à nossa santificação e desenvolvimento es­piritual. A verdade, porém, é que a auto-depreciação não é a verdadeira humil­dade cristã. Essa atitude acha-se em oposição a alguns dos ensinos bási­cos da fé cristã.

O maior mandamento é que ame­mos a Deus com todo o nosso ser. O segundo é que amemos ao nosso próximo como a nós mesmos. Não temos aqui dois, mas três manda­mentos: amar a Deus, amar a nós mesmos e amar aos outros. Se você amar a Deus, a si mesmo e aos outros estará cumprindo toda a lei de Deus (Mateus 5.43-48). Esse é o eterno princípio do triângulo – um amor correto para com Deus, por nós mesmos e por outras pes­soas.

A pessoa que possui uma imagem própria baseada no que Deus diz, é mais saudável, em todos os sentidos, do que aquelas que têm uma ima­gem própria negativa. Foi assim que Deus nos criou, e se agirmos de modo contrário, não apenas estare­mos seguindo um conceito teológico errado, como também correremos o risco de ser destruídos. Pensando com moderação, não iremos nem nos subestimar nem nos superestimar. É Satanás quem nos confunde e nos cega nessas questões, pois nos faz acusações: – Olhe aí, você está ficando muito orgulhoso…

A pessoa que tem uma imagem própria negativa está sem­pre tentando se mostrar. Ela tem de provar que está certa, em todas as situações, tem de mostrar seu valor. E geralmente fica tão envolvida em si mesma, que se esquece do Se­nhor. Ninguém pode amar aos outros incondicionalmente, quando precisa ficar o tempo todo tentando provar seu valor próprio.

A autonegação não tem nada a ver com a humildade cristã, nem com a santidade. A crucificação do eu e a entrega pessoal a Deus não exigem uma auto-imagem inferior, que é di­ferente do que o Senhor pensa de nós.

“Visto que foste precioso aos meus olhos, digno de honra, e eu te amei, darei homens por ti e os povos, pela tua vida.” (Isaías 43.4.)

4)Entender que Nosso Senso de Valor Próprio Deve Vir de Deus

Temos de formar nosso senso de valor próprio a partir do que Deus diz, e não dos falsos reflexos que vêm das outras pessoas, do diabo e, até mesmo, do nosso passado.

Temos de fazer uma escolha que definirá a nossa vida:

Vamos dar ouvidos a Satanás e a todas as mentiras que ele nos diz, às distorções e às mágoas do passa­do que nos mantêm aprisionados por certos sentimentos e conceitos acer­ca de nós mesmos, que não são cris­tãos nem saudáveis? Ou buscaremos nosso senso de valor próprio em Deus e em sua Pa­lavra?

Há 03 fatos que demonstram o quanto Deus nos valoriza:

Deus ama tanto.

Não devemos nos dizer: “Bom, sei que Deus me ama, mas não gosto de mim mesmo.”

Isso é um insulto a Deus e ao seu ilimitado amor. Quando despreza­mos um ser que é criação de Deus, estamos, na verdade, dizendo que não gostamos da “criatura” e não apreciamos muito o “Criador”. Na verdade, não estamos vendo o quan­to Deus nos ama e o quanto signifi­camos para ele.

•  Deus honrou tanto.

“Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de Jato, somos filhos de Deus…” (1 João 3.1.)

Quando nos consideramos despre­zíveis e sem valor, sendo filhos de Deus, essa falsa humildade fere o coração do Senhor.

Deus dá tanto valor.

Dificilmente, alguém morreria por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer. “Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo Jato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.” (Romanos 5.7,8.)

Deus deixou bem claro o valor que temos para ele. Ele nos atri­bui um valor tão elevado, que en­tregou a vida de seu Filho para nos salvar.

De onde tiraremos a base para formar nossa imagem própria? Das distorções de nossa infância? Das mágoas do passado e das falsas idéi­as que foram colocadas em você? Ou será que preferiremos dizer:

“Não; não darei mais ouvidos a essas mentiras do passado. Não es­cutarei o que Satanás diz, já que ele é o acusador, e me envia men­sagens confusas e falsas. O diabo nos cega e quer distorcer tudo. Vou escutar a opinião que Deus tem de mim, vou deixar que ele me progra­me, até que o bom conceito que ele tem de mim passe a ser o meu, atin­gindo até o mais íntimo dos meus sentimentos.”

Conclusão

Vimos no estudo de hoje que precisamos ter algumas atitudes importantes para que possamos entender como Deus nos vê: Precisamos abandonar o auto desprezo, crendo que somos a menina dos olhos de Deus, compreendendo que necessitamos mudar nossos conceitos teológicos errados e entendendo que nosso senso de valor deve vir de Deus.

Permitamos que Deus nos ame, e deixemos que ele nos ensine a nos amar a nós mesmos, e a amar aos outros. Desejamos ser amados. Que­remos que Deus nos dê segurança, que nos aceite. E, aleluia, ele faz isso. Contudo, por causa da programação nociva que recebemos de outras fon­tes, temos dificuldade em aceitar esse amor. Aliás, isso é tão difícil, que tal­vez prefiramos continuar a ser como éramos.

Josias Moura de Menezes

É formado em Teologia, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. É especialista em Marketing Digital, Produção Audiovisual para Web, Tecnologias de Aprendizagem a Distância, Inteligência Artificial, Jornalismo Digital e possui Mestrado em Teologia. Atua ministrando cursos de capacitação profissional e treinamentos online em diversas áreas. Para mais informações sobre o autor <clique aqui>.

Compartilhe esta mensagem

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
Email

FAÇA NOSSOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA GRATUITOS

Livre

Capacitação em Gestão do Tempo, Planejamento Pessoal e Produtividade – Gratuito

Livre

Capacitação em Como preparar e transmitir mensagens bíblicas – Gratuito

Livre

Capacitação em Bibliologia – Como a Bíblia chegou até nós – Gratuito

ADQUIRA NOSSAS BIBLIOTECAS DIGITAIS

Show Comments (0)

Deixe uma resposta