Assine nosso site

Receba nossas publicações em seu email.

Junte-se a 8.543 outros assinantes

Estudo da quinta feira. Série: O evangelho da graça em ação – Aprendendo com o apóstolo Paulo na Carta de Filemon  –  Semana 6: O evangelho da graça em ação

QUER RECEBER ARTIGOS INFORMATIVOS, ESTUDOS BÍBLICOS, REFLEXÕES, SERMÕES E CURSOS GRATUITOS TODA SEMANA EM SEU WHATSAP?

Entre no grupo do Professor Josias Moura agora e receba todos estes recursos gratuitamente.

Série: O evangelho da graça em ação – Aprendendo com o apóstolo Paulo na Carta de Filemon  –  Semana 6: O evangelho da graça em ação

Texto Bíblico: Filemom 23-24

I. Introdução

O trabalho cristão não foi desenhado para ser realizado isoladamente. Desde os tempos bíblicos, vemos a importância do companheirismo entre os servos do Senhor. Em Eclesiastes 4:9-12, por exemplo, Salomão descreve as vantagens de se ter um companheiro, em oposição a tentar cumprir a obra sozinho. Jesus também enviou os discípulos dois a dois para pregar e curar (Marcos 6:7), estabelecendo assim um padrão de parceria. O apóstolo Paulo reconheceu esse princípio e por isso sempre buscou desenvolver parcerias ministeriais. 

Nesse estudo bíblico, vamos examinar mais de perto essa passagem de Filemon – verso 23 e 24 – e destacar o exemplo de dedicação e cooperação encontrados nesse grupo de crentes. Através dos diferentes perfis mencionados, vamos compreender a importância de ter companheiros fiéis na jornada cristã e extrair aplicação prática para nossas próprias vidas. Vamos olhar para Filemon, Epafras, Marcos, Aristarco, Demas e Lucas como um quadro de cooperação e aprendizado mútuo a partir da vida de Paulo, reconhecendo a beleza da colaboração que ocorre dentro da igreja e seus frutos na expansão do Reino de Deus.

Paulo não tentou centralizar todo o trabalho em si mesmo ou trabalhar independentemente. Pelo contrário, ele delegou, capacitou líderes e reconheceu a interdependência que existe no Corpo de Cristo. Portanto, devemos seguir esse exemplo e valorizar o companheirismo cristão, buscando cumprir a missão de Deus em espírito de equipe, apoio mútuo e visão compartilhada.

II. Trabalhando juntos em união

Apesar das diferenças culturais, sociais e espirituais, como cristãos somos chamados a nos unir em torno da obra de Cristo, que é espalhar o evangelho e fazer discípulos (Mateus 28:19-20). Assim como os membros do corpo físico possuem funções distintas, porém complementares, os membros do corpo de Cristo também possuem diferentes dons e ministérios (1 Coríntios 12:12-27).

Devemos valorizar essas distinções, pois todas as funções são importantes e necessárias. Paulo compara a igreja a um corpo para enfatizar que não pode haver divisão. Se um membro sofre, todos sofrem; se um membro é honrado, todos se alegram (1 Coríntios 12:26). Deus mesmo estabeleceu essa diversidade dentro da unidade do corpo (1 Coríntios 12:18).

Portanto, precisamos reconhecer e acolher os diferentes dons dos irmãos, sem inveja ou sentimento de inferioridade. Cada função existe para o bem comum e para a edificação de todos (1 Coríntios 12:7; Efésios 4:12). Quando nos unimos e nos apoiamos mutuamente, a igreja cresce de maneira saudável para a glória de Deus (Efésios 4:16).

III. Apoiando e encorajando uns aos outros

Nenhum cristão foi chamado para caminhar sozinho. Todos nós precisamos de apoio, ânimo e cuidado pastoral uns dos outros, especialmente em momentos de dificuldade e desânimo. Jesus afirmou que o maior mandamento é amar ao próximo como a si mesmo (Mateus 22:39). Paulo também ensinou que devemos “suportar os fardos uns dos outros” (Gálatas 6:2) e “chorar com os que choram” (Romanos 12:15).

No livro de Filemom, vemos Paulo intercedendo por Onésimo e encorajando Filemom a recebê-lo de volta com amor e perdão. Esta atitude de cuidado pastoral e intercessão amorosa deve caracterizar nossas relações como irmãos em Cristo. Assim como Paulo buscou a restauração de Onésimo, somos chamados a servir e edificar uns aos outros (Romanos 14:19), falando a verdade em amor (Efésios 4:15) e buscando sempre o bem do próximo. Devemos ser canais da graça e do cuidado de Deus.

Algumas maneiras práticas de apoiar e encorajar outros irmãos em Cristo:

  • Ouvir com empatia e compreensão, sem julgar. Muitas vezes o que o outro mais precisa é desabafar e ser ouvido.
  • Oferecer ajuda concreta nos momentos de necessidade. Isso pode envolver tarefas domésticas, caronas, ajudas financeiras pontuais, cuidar dos filhos etc.
  • Visitar pessoas que estão doentes, idosas ou impossibilitadas de sair de casa. Levar uma palavra de ânimo e orar juntos.
  • Aconselhar com sabedoria bíblica os que estão passando por problemas e dificuldades.
  • Orar regularmente pelo próximo, intercedendo em suas lutas e necessidades. A oração faz diferença!
  • Enviar mensagens edificantes e encorajadoras para aqueles que estão desanimados.
  • Celebrar e valorizar as conquistas e vitórias alcançadas por outros.
  • Conviver, tendo comunhão e compartilhando experiências de vida.
  • Agir com abnegação, buscando o bem do próximo acima do seu.

IV. Cooperadores no Reino de Deus

A Bíblia deixa claro que cada cristão recebe dons e talentos de Deus para serem usados em seu serviço e para a edificação do Corpo de Cristo (1 Pedro 4:10). Não fomos chamados para trabalhar sozinhos, mas para sermos cooperadores no Reino de Deus e em sua obra (1 Coríntios 3:9).

No livro de Filemom, Paulo menciona vários colaboradores, como Timóteo, Marcos, Aristarco, Demas e Lucas. Juntos eles formavam uma equipe ministerial, cada um contribuindo com suas qualidades e recursos específicos. Paulo sabia que precisava do apoio deles para cumprir o chamado apostólico.

Da mesma forma, nós precisamos valorizar o que cada irmão tem a oferecer e trabalhar em unidade de propósito para realizar mais em prol do Reino. Em Filipenses 1:27, Paulo exorta: “somente comportai-vos de maneira digna do evangelho de Cristo, para que, quer eu vá ver-vos, quer esteja ausente, ouça a vosso respeito que estais num só espírito, combatendo unânimes pela fé do evangelho”. Portanto, somos chamados a ser colaboradores de Cristo, cada um com sua parte.

V. Conclusão

O exemplo de Paulo em Filipenses nos mostra a importância de cultivarmos o companheirismo cristão. Fomos chamados por Deus não para agirmos sozinhos, mas para sermos colaboradores no avanço do Seu Reino.

Cada um de nós tem um papel a desempenhar, dons para contribuir e uma parcela da obra a realizar. Por isso, precisamos valorizar o que cada irmão tem a oferecer, reconhecendo a diversidade de funções no corpo de Cristo. Ao mesmo tempo, devemos estar dispostos a nos apoiar mutuamente, suprindo as necessidades uns dos outros com amor, intercessão e cuidado pastoral.

Que o excelente exemplo de trabalho em equipe e relações de apoio mútuo que vemos em Paulo possa nos inspirar a cultivar mais unidade, humildade e visão compartilhada em nossas igrejas e ministérios. Que o amor de Cristo nos una mais a cada dia.

Josias Moura de Menezes

É formado em Teologia, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. É especialista em Marketing Digital, Produção Audiovisual para Web, Tecnologias de Aprendizagem a Distância, Inteligência Artificial, Jornalismo Digital e possui Mestrado em Teologia. Atua ministrando cursos de capacitação profissional e treinamentos online em diversas áreas. Para mais informações sobre o autor <clique aqui>.

Compartilhe esta mensagem

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
Email

FAÇA NOSSOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA GRATUITOS

Livre

Capacitação em Gestão do Tempo, Planejamento Pessoal e Produtividade – Gratuito

Livre

Capacitação em Como preparar e transmitir mensagens bíblicas – Gratuito

Livre

Capacitação em Bibliologia – Como a Bíblia chegou até nós – Gratuito

ADQUIRA NOSSAS BIBLIOTECAS DIGITAIS

Show Comments (0)

Deixe uma resposta