Assine nosso site

Receba nossas publicações em seu email.

Junte-se a 8.554 outros assinantes

Semana 13: As Bênçãos da Justificação para a Vida do Cristão:Vivendo em Sociedade: Uma Perspectiva Bíblica em Romanos 13

Introdução:

Nossa vida em sociedade é marcada por diversas interações, regras e autoridades. Como cristãos, somos chamados a navegar através desses sistemas com sabedoria e integridade. Em Romanos 13, o apóstolo Paulo oferece orientação sobre como viver de forma justa e piedosa dentro do contexto social e político. 

O objetivo deste estudo é explorar as instruções de Paulo em Romanos 13 e entender como elas se aplicam à nossa conduta cotidiana, ao nosso relacionamento com as autoridades e à nossa responsabilidade moral e espiritual como seguidores de Cristo.

1. Submissão às Autoridades (Romanos 13:1-7)

No capítulo 13 da Epístola aos Romanos, Paulo aborda uma questão delicada e profundamente relevante: a relação do cristão com as autoridades estabelecidas. Ele instrui os seguidores de Cristo a se submeterem às autoridades governamentais, com a premissa de que tais poderes são ordenados por Deus. Essa submissão não é um chamado à obediência cega, mas sim um reconhecimento de que a ordem social é necessária para a manutenção da paz e da justiça. Paulo não ignora que as autoridades podem ser falhas, mas enfatiza que a resistência a esses poderes é, em essência, uma resistência à ordem de Deus, exceto quando essa ordem é contrária à lei de Deus.

Em Tito 3:1, Paulo reitera a mensagem de submissão, pedindo que nos lembremos de ser obedientes e prontos para realizar toda boa obra. Isso reflete a ideia de que a submissão vai além do simples acatamento; é um compromisso ativo com o bem comum. Em 1 Pedro 2:13-17 Pedro ecoa o ensinamento paulino, instruindo os cristãos a se submeterem “a toda instituição humana” por causa do Senhor. Ele enfatiza que essa submissão é uma forma de silenciar a ignorância dos tolos, agindo como pessoas livres que não usam a liberdade como pretexto para o mal, mas como servos de Deus.

Em sua obra “A Cidade de Deus”, Agostinho discute a relação entre a igreja e o estado, apontando para duas cidades simbólicas: a Cidade de Deus e a cidade terrena. Agostinho sustenta que, embora os cristãos pertençam à “Cidade de Deus”, eles vivem na cidade terrena e devem, portanto, respeitar suas leis e autoridades, na medida em que isso não comprometa sua fé.

Aplicações Práticas:

  • Como agir quando as leis humanas entram em conflito com a lei divina: Nesses casos, os cristãos são chamados a seguir o exemplo dos apóstolos que, conforme Atos 5:29, afirmam “é necessário obedecer a Deus antes que aos homens”. Isso requer discernimento, coragem e, por vezes, a disposição de enfrentar as consequências legais por desobedecer leis humanas em favor da obediência a Deus.
  • Participação cívica responsável e a importância do voto: A submissão às autoridades não significa passividade política. Os cristãos são encorajados a se envolverem na vida pública de maneira responsável, utilizando o voto e outras formas de participação cívica para promover a justiça e o bem comum, sempre alinhados com os valores do Reino de Deus.

Fica claro que a submissão às autoridades não é um mandamento para a passividade, mas um convite para vivermos de maneira responsável e consciente dentro de uma sociedade que, embora imperfeita, é mantida sob a soberania de Deus.

2. O Amor Como Cumprimento da Lei (Romanos 13:8-10)

Paulo, na carta aos Romanos, apresenta um conceito revolucionário que transcende a observância de regras e rituais: o amor como a essência da Lei. Ele exorta os fiéis a não deverem nada a ninguém, exceto o amor contínuo, que é a verdadeira dívida permanente do cristão. Esse amor é a força motriz que deve orientar cada ação, cada palavra e cada intenção. Paulo entende o amor não como um sentimento efêmero, mas como uma escolha deliberada de buscar o melhor para os outros, resumindo assim toda a Lei.

Em Mateus 22:37-40, Jesus, ao ser questionado sobre o maior mandamento, respondeu que o maior e o primeiro mandamento é amar a Deus sobre todas as coisas e, em segundo lugar, amar ao próximo como a si mesmo. Toda a Lei e os Profetas dependem desses dois mandamentos, mostrando que o amor é a base de toda a ética cristã.

No seu livro “As Quatro Amores”, Lewis explora a natureza complexa do amor, distinguindo entre afeto, amizade, eros (amor romântico) e ágape (amor incondicional). Ele argumenta que o amor ágape, o amor divino, é o mais elevado e o que os cristãos são chamados a expressar em suas vidas. Este amor é uma escolha e um compromisso, não determinado por nossa afeição natural ou preferências.

Aplicações Práticas:

  • Ações de amor ao próximo no dia a dia: Isso pode se manifestar em atos de bondade e serviço, como ajudar um vizinho, voluntariar-se em ações comunitárias, ou simplesmente oferecer uma palavra de encorajamento. Pequenos gestos de gentileza e compreensão podem ter um impacto significativo na vida das pessoas.
  • Resolver conflitos com base no princípio do amor: Ao enfrentar desafios e desentendimentos, aplicar o amor como fundamento para a resolução de conflitos significa buscar a reconciliação e o entendimento mútuo, colocando o bem-estar da relação acima do desejo de estar certo.

O amor cristão é, portanto, um chamado para uma vida que supera as fronteiras do legalismo e se estende à prática de um cuidado genuíno e abrangente que espelha a compaixão de Cristo pelo mundo.

3. Vivendo na Luz: A Conduta Cristã em Tempos Modernos (Romanos 13:11-14)

No trecho de Romanos 13:11-14, Paulo chama a atenção dos crentes para a urgência do momento presente. O apóstolo descreve a proximidade da salvação como um incentivo para abandonar comportamentos inadequados e viver uma vida marcada pela santidade. Ao exortar os fiéis a se revestirem de Cristo, ele enfatiza a necessidade de adotar as virtudes e o caráter de Jesus, rejeitando assim as práticas pecaminosas que são incompatíveis com a luz do Evangelho.

Em Efésios 5:8-14: Paulo, também nesta carta, reforça a transformação do crente ao passar das trevas para a luz, ressaltando que os seguidores de Cristo devem viver como filhos da luz. A luz é associada com tudo que é bom, justo e verdadeiro. Já em 1 Tessalonicenses 5:5-8, o apóstolo nos lembra que somos filhos da luz e do dia e, por isso, devemos viver de maneira sóbria e vigilante. A fé e o amor são apresentados como couraça, e a esperança da salvação como capacete, simbolizando a proteção espiritual contra as forças das trevas.

Dietrich Bonhoeffer: Teólogo e mártir, Bonhoeffer destacou-se por sua ética cristã e pela compreensão profunda da responsabilidade moral do cristão. Em sua obra, ele fala sobre o custo do discipulado e a importância de viver coerentemente com os ensinamentos de Cristo, mesmo em face de grandes desafios e oposições.

Aplicações Práticas:

  • Práticas de disciplina espiritual para viver em santidade: Essas práticas incluem a leitura e meditação diária da Palavra, oração, jejum, participação em comunidade de fé e serviço ao próximo. Estas disciplinas ajudam o crente a cultivar um relacionamento mais profundo com Deus e a fortalecer o caráter cristão.
  • Renúncia de comportamentos e hábitos nocivos: Isso pode envolver identificar áreas da vida pessoal que não estão alinhadas com os ensinamentos de Cristo e tomar medidas práticas para mudar, buscando ajuda e apoio da comunidade de fé quando necessário.

A mensagem de Paulo aos Romanos é um chamado atemporal para a vigilância e para uma vida de integridade. Em um mundo onde as trevas muitas vezes parecem prevalecer, os cristãos são chamados a ser luz, refletindo o amor, a verdade e a santidade de Cristo em suas ações cotidianas. Este é o verdadeiro testemunho que a fé cristã pode oferecer em tempos modernos.

Conclusão:

Romanos 13 não é apenas um capítulo sobre regras e condutas; é um convite a refletir sobre como nossa fé se manifesta em ações concretas que honram a Deus e servem ao próximo. Ao estudar este capítulo, somos encorajados a viver de maneira íntegra e amorosa, buscando sempre a sabedoria divina para discernir o melhor caminho a seguir em nossa jornada terrena.

É formado em Teologia,  Análise e desenvolvimento de Sistemas e Licenciatura em Matemática. Especializado  em Marketing Digital, Produção audio visual para Web, tecnologias de aprendizagem a distância,  e Mestre em Teologia. Ministra cursos de capacitação profissional e treinamentos online em diversos segmentos. 

 >>  MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O AUTOR

Compartilhe esta mensagem

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Print
Email

FAÇA NOSSOS CURSOS DE CAPACITAÇÃO A DISTÂNCIA GRATUITOS

Livre

Capacitação em Gestão do Tempo, Planejamento Pessoal e Produtividade – Gratuito

Livre

Capacitação em Como preparar e transmitir mensagens bíblicas – Gratuito

Livre

Capacitação em Bibliologia – Como a Bíblia chegou até nós – Gratuito

ADQUIRA NOSSAS BIBLIOTECAS DIGITAIS

Show Comments (0)

Deixe uma resposta